terça-feira, 27 de abril de 2021

Anvisa nega importação da Sputnik V ao identificar falhas

Agência reguladora apontou a existência de adenovírus replicante na vacina russa, que traz riscos à saúde

Cristyan Costa

Por unanimidade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou o pedido de autorização excepcional para a importação da vacina russa contra a covid-19 Sputnik V. Os diretores da autarquia informaram que faltam dados técnicos para verificar a segurança e a eficácia do imunizante. Os cinco diretores da Anvisa seguiram a recomendação da área técnica da entidade, que identificou diversas “incertezas”. Desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, a mercadoria ainda não foi aprovada pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) ou pela Administração Federal de Alimentos e Medicamentos (FDA), dos Estados Unidos. Apenas Argentina e México utilizam-na.

Foto: Adriana Toffetti/Estadão Conteúdo

Nos lotes analisados, pesquisadores identificaram a presença de adenovírus replicante (com capacidade de reprodução no corpo humano), que traz riscos à saúde. Conforme os cientistas da Anvisa, o patógeno pode levar desde a infecções variadas até à exacerbação da resposta imunológica. “Jamais permitiremos que milhões de brasileiros sejam expostos a produtos sem a devida comprovação de qualidade, segurança e eficácia ou, minimamente, diante da grave situação que atravessamos, que haja uma relação favorável risco-benefício”, declarou Antônio Barra Torres, diretor-presidente da Anvisa, na noite da segunda-feira 26, ao salientar a competência dos profissionais da agência.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 27-4-2021, 6h40

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-