domingo, 25 de abril de 2021

Lockdown é ‘fruto do fracasso’ de medidas de prevenção, diz Queiroga

Segundo o ministro da Saúde, o fechamento total do comércio e a proibição da circulação de pessoas nas ruas não são considerados opções factíveis pelo governo

Fábio Matos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga [foto], voltou a fazer coro ao presidente Jair Bolsonaro e afirmou no sábado 24 que um lockdown nacional seria resultado do fracasso das medidas de prevenção e combate ao novo coronavírus. Segundo o ministro, o fechamento total das atividades do comércio e a proibição da circulação de pessoas nas ruas não são considerados opções factíveis pelo governo federal neste momento.

Foto: Cláudio Marques/Futura Press/Estadão Conteúdo

“O Ministério da Saúde não reage. Ele age. É claro que, se usarmos as medidas não farmacológicas, nunca vamos chegar ao lockdownLockdown é fruto do fracasso dessas medidas, e é nesse sentido que o presidente se manifesta”, disse Queiroga. “Bom que fique bem claro. As recomendações são para todos os brasileiros. Vamos trabalhar em um contexto para levar harmonia para a sociedade brasileira, para que consigamos vencer.”

O ministro da Saúde também afirmou que fala “todos os dias” com Bolsonaro sobre o enfrentamento da pandemia no Brasil. “Sou ministro da Saúde escolhido por ele para gerir essa situação e creio que todos estão vendo o trabalho do Ministério da Saúde com apoio do presidente da República”, apontou.

No sábado 24, como noticiamos, Bolsonaro voltou a criticar o lockdown e disse que as Forças Armadas podem ser acionadas para restabelecer o direito de ir e vir. “Se precisar, iremos para as ruas não para manter o povo dentro de casa, mas para restabelecer o artigo 5º da Constituição. E se eu decretar isso, vai ser cumprido esse decreto. As Forças Armadas podem ir para a rua, sim”, afirmou o presidente. “Para fazer valer o direito de ir e vir, o direito ao trabalho, à liberdade religiosa, de culto, para cumprir tudo aquilo que está sendo descumprido por parte de alguns governadores e prefeitos.”

Título e Texto: Fábio Matos, revista Oeste, 24-4-2021, 10h30

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-