sábado, 24 de abril de 2021

“O que o FC Porto pensa é que tem de ganhar o jogo seguinte”

Jorge Nuno Pinto da Costa concedeu uma entrevista ao Porto Canal no dia em que celebra 39 anos na presidência do FC Porto

No dia em que se assinalam 39 anos desde que tomou posse pela primeira vez como presidente do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa esteve na Noite Informativa do Porto Canal e revisitou quase quatro décadas de muitas vitórias e muitos títulos, mas também abordou diversos temos relacionados com a atualidade do clube.


Convidado a recordar o dia 23 de abril de 1982, o líder máximo do clube garantiu que se lembra de tudo como se fosse hoje: “Desse dia recordo tudo. Foi um dia de grande emoção, em que estivemos a trabalhar para nos inteirarmos do estado do clube. Tomámos posse no pavilhão, onde estiveram grandes figuras de outros clubes. Foi uma tomada de posse muito concorrida e muito emocionante. O Dr. Américo de Sá, que estava de saída, fez-me uma saudação carinhosa e calorosa, mas fiz questão que ele soubesse que, para mim, continuava a ser o presidente honorário do FC Porto. Quando nos metemos nesta aventura, fizemo-lo com uma grande determinação em resolver os problemas do clube”.

Mesmo sendo o presidente mais titulado do mundo, Jorge Nuno Pinto da Costa confessou que isso não lhe diz nada, “porque foi o FC Porto que conquistou esses títulos todos”. “Os meus títulos são os títulos do FC Porto e isso é que é importante”, reforçou o presidente portista, ciente daquilo que as vitórias e os títulos representam para os sócios e adeptos do clube. “Gosto de ver a maneira como os sócios e os adeptos vivem o FC Porto. Estou sempre a dizer isto, mas é muito importante que as pessoas percebam que há muita gente que tem uma vida extremamente difícil. Para essas pessoas, a única felicidade que têm são as vitórias do seu clube. Quando o FC Porto ganha o campeonato, muitas das pessoas que enchem a Avenida dos Aliados não têm mais motivos para festejar a não ser aquele dia em que o FC Porto ganhou. Chamo a atenção para isso constantemente pois há que pensar nessas pessoas. Através das nossas vitórias, podemos fazer felizes pessoas que não têm motivos para sorrir”.

No que diz respeito à atualidade futebolística, Jorge Nuno Pinto da Costa falou sobre as contas do campeonato, no qual o FC Porto está a quatro pontos do Sporting com seis jogos por disputar: “Todas as jornadas são decisivas. Estão 18 pontos em disputa e qualquer ponto que se perca pode definir o campeonato, seja para quem for. Neste momento todos os jogos são difíceis. As equipas que estão nos primeiros lugares perderam pontos com equipas que estão na segunda metade da tabela. Qualquer ponto que se perca, seja quem for, tem o mesmo valor, mas o futebol está diferente pela falta de público e alguns resultados não têm lógica. Na jornada anterior à última, o Gil Vicente ganhou na Luz e o Portimonense foi ganhar a Famalicão. Na última jornada, o Portimonense perdeu em casa com o Benfica e o Gil Vicente perdeu em casa com o Famalicão. O que o FC Porto pensa é que tem de ganhar o jogo seguinte. O FC Porto está concentrado e convicto de que tem de ganhar em Moreira de Cónegos na segunda-feira”.

Relativamente à continuidade de Sérgio Conceição no comando técnico da equipa principal de futebol, o presidente dos Dragões não poderia ter sido mais claro, mas sublinhou que este assunto só será tratado após o fim do campeonato: “Estou em condições de manter o que já disse. A intenção dos dois é prolongarmos o contrato por pelo menos mais um ano ou mais. Estamos a pensar no que será melhor, mas estamos de tal maneira envolvidos no campeonato, que penso que vamos ganhar se tudo correr de forma normal, que combinámos arrumar este assunto depois de terminar o campeonato. A vontade dos dois é prolongar o contrato, por isso não estou nada preocupado, mas não depende da conquista do campeonato”, explicou Jorge Nuno Pinto da Costa, que também abordou o “nado morto” chamado Superliga Europeia.

“Fui sempre contra. A força do futebol é ser popular, qualquer clube tem de ter direito a ganhar e a participar. As escolhas para provas europeias têm de ser por mérito desportivo, não por dinheiro. Foi tudo que acabou com a Superliga Europeia. A UEFA foi contra, a FIFA também, e o primeiro-ministro inglês fez que o fez pela pressão popular. A Superliga Europeia, no fundo, é um nado morto. O povo é que vota, não é a UEFA ou o Florentino ou o Agnelli. O primeiro-ministro inglês sentiu, inteligentemente, que o povo não queria aquilo. Os donos do FC Porto são os sócios e eu estou aqui porque me elegeram. Os sócios desses clubes sentiram que estavam a ser marginalizados. Querem estar nas provas europeias mas por mérito desportivo e não por terem um magnata como dono.”

Veja aqui a entrevista de Jorge Nuno Pinto da Costa na íntegra.

Título e Texto: FC Porto, 23-4-2021, 23h43

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-