terça-feira, 13 de julho de 2021

O Brasil voltou a funcionar, apesar dos pessimistas

Desastre provocado pela pandemia de covid-19 foi para ninguém botar defeito, mas o país dá sinais de recuperação econômica

J. R. Guzzo


Eis aí: a economia brasileira vai crescer com força este ano, pela primeira vez desde o começo do governo do presidente Jair Bolsonaro. Após os horrendos resultados de 2020, quando o país recuou 4% por causa da paralisação radical da atividade econômica trazida pela covid-19, aqui e no resto do mundo, esperava-se por um desastre semelhante em 2021; afinal, o ano começou com o lockdown a toda, para a alegria das “autoridades locais” e para todos os que querem que Bolsonaro vá embora do governo o mais cedo possível. Muita gente, na verdade, rezava pela continuação da desgraça em 2021 e, se possível, para 2022, quando a eleição presidencial seria feita com a economia em ruínas.

Não é isso que está acontecendo. Ao encerrar-se o primeiro trimestre do ano, ficou claro que a recuperação não apenas tinha começado, mas vinha forte — 5% de crescimento em 2021, o que recupera todo o desastre do ano passado e vai ainda adiante. Seria um número “bolha”, destinado a desfazer-se nas previsões seguintes? Pelo jeito, não. Segundo o último cálculo do Banco Central, os dados são bons para todo o semestre; o crescimento deste ano, com base no que aconteceu até agora, deve ser de 5,2%, o maior dos últimos onze anos.

É natural, com a progressiva retomada da produção, que os números sejam altos — afinal, o porcentual de aumento está sendo feito sobre uma base muito baixa. Mas é indiscutível que o Brasil voltou a funcionar, e que está melhor do que estava.

O desastre provocado pela pandemia da covid-19 foi para ninguém botar defeito, sobretudo no mercado de trabalho. O fechamento geral do “fique em casa”, para ficar num exemplo só, levou o desemprego para as vizinhanças dos 15%, piorando ainda mais os 14% atingidos no auge da recessão de Dilma Rousseff. Mas já neste primeiro semestre de 2021 foi criado 1,2 milhão de empregos com carteira assinada. São postos de trabalho recuperados, e, se a retomada continuar nesse ritmo, não há como não haver consequência na economia.

O ano não acabou, é claro, e o ano-chave de 2022 ainda nem começou. Para 2021 ter 5,2% de crescimento, o segundo semestre terá de repetir o primeiro; para o ano da eleição ser forte, será preciso repetir 2021. Cada vez mais, daqui para a frente, a política terá de prestar atenção ao que está acontecendo não apenas no seu mundinho, mas também no front da economia.

Título e Texto: J. R. Guzzo, Gazeta do Povo, via revista Oeste, 12-7-2021, 20h50

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-