quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Diretora da OMS afirma que ‘apenas vacinação não basta’ (!?)

Países europeus estão endurecendo as restrições

Cristyan Costa

A vacinação contra a covid-19 não é suficiente. A avaliação é de Mariângela Simão, diretora-geral-assistente da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo ela, o aumento de casos de coronavírus na Europa é um alerta.

“O que está acontecendo em países com maior cobertura vacinal é extremamente importante agora”, afirmou Mariângela, em entrevista ao jornal Valor Econômico, nesta quarta-feira, 24, em alusão a países estrangeiros.

Conforme ela, a volta de infecções pelo patógeno se deu em razão das “flexibilizações das medidas restritivas”. Portanto, o Brasil tem de estar “alerta” para o que está ocorrendo lá fora. “Só a vacinação não basta”, disse.

“Com certeza, a imunização diminuiu hospitalizações e mortes pelo coronavírus, mas não diminuiu a transmissão a ponto de eliminar a circulação do vírus”, afirmou.

Reportagem publicada na Edição 45 da Revista Oeste mostrou que o isolamento não permitiu a redução na curva de infecções por coronavírus. Dessa forma, ratificando um relatório do banco J. P. Morgan, que foi na mesma direção.

Publicado pela revista britânica The Lancet em julho de 2020, outro estudo revelou que, em uma comparação entre 50 países, a covid-19 foi mais mortal em lugares com população mais velha e com maior taxa de obesidade, mas não se observou redução de mortalidade em países que fecharam suas fronteiras ou aplicaram o “bloqueio completo”.

Na Universidade de Edimburgo, na Escócia, um pesquisador concluiu que as infecções na Grã-Bretanha já estavam diminuindo antes que o lockdown começasse no fim de março.

Uma análise realizada pelo Instituto de Tecnologia de Karlsruhe descobriu que as infecções na Alemanha estavam se reduzindo na maior parte do país antes do início das medidas de confinamento. Também foi provado que o toque de recolher imposto na Baviera e em outros Estados não surtiu efeito.

Nos Estados Unidos, menos de 1% da população vive em lares de idosos, mas, em janeiro de 2021, essa pequena fração foi responsável por 36% das mortes por covid-19 no país. Até mesmo quem estava “protegido” entre muros não escapou do contágio.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista OESTE, 24-11-2021, 16h05

Ou seja, a “vacina” não vacina ninguém, mas insistem em chamar a esse experimento das farmacêuticas, de “vacinas”, que por não vacinarem ninguém, poucos (políticos) têm a coragem de enfrentar. A meia dúzia que tem a coragem de confrontar é rotulada de “negacionista” e outros vocábulos bem piores, e tem a sua vida pregressa vasculhada de cabo a rabo!

O fato é que desde o início da propagação do vírus chinês, a “ciência”, voluntária ou involuntariamente (fico com a primeira) se deixou instrumentalizar pela política, de esquerda, obviamente.

Essa, sim, a verdadeira genocida. Que se masturbou publicamente com as mortes no Brasil, com um presidente de Direita, mas brochou perante os números atuais lamentáveis, na Alemanha... e na França de Macron.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-