segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Desmistificando o efeito da vacinação

Telmo Azevedo Fernandes

Neste artigo de um médico sueco explica-se que os países que têm neste momento baixas taxas de mortalidade têm em geral taxas de vacinação tão altas quanto as dos países que têm elevadas taxas de mortalidade. Ou seja, a vacinação em si mesma parece não estar a ter impacto significativo.

Defende-se ainda no artigo que nos países que desenvolveram maior imunidade natural graças ao facto de terem tido alguns meses adicionais de forte disseminação da covid-19 durante a Primavera de 2020, a epidemia já terminou (vírus tornou-se endémico) e que não deverão sofrer novas grandes vagas no futuro. Destaca-se a este propósito o exemplo de Israel com altas taxas de vacinação, mas que como no início do Outono de 2021 teve menos meses de propagação da pandemia (e, portanto, tinha uma proporção menor da população com imunidade natural à infecção desenvolvida anteriormente) está atualmente a registar uma quarta vaga.

Por fim, lembra-se que está já bem estabelecido que a imunidade conferida pela infecção é muito mais durável do que a imunidade conferida pela vacinação. A imunidade gerada pelas vacinas é passageira.

O texto completo na versão original em Inglês pode ser lido aqui e só os verdadeiros negacionistas entenderão como heresia o que Sebastian Rushworth argumenta. Quem quiser pensar, .

Título e Texto: Telmo Azevedo Fernandes, Blasfémias, 21-11-2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-