segunda-feira, 22 de novembro de 2021

Direita e esquerda disputarão 2º turno no Chile

José Antonio Kast e Gabriel Boric foram os mais votados no primeiro turno; chilenos voltam às urnas no dia 19 de dezembro

Fábio Matos

No Chile, os candidatos da direita, José Antonio Kast [foto], e da esquerda, Gabriel Boric, disputarão o segundo turno das eleições presidenciais. Com mais de 99% dos votos apurados, o cenário para a disputa final pela presidência do país está consolidado. O segundo turno acontece no dia 19 de dezembro.

Até este momento, Kast lidera o primeiro turno do pleito no Chile, com quase 28% dos votos, enquanto Boric aparece com cerca de 26%. Para ser eleito já no primeiro turno, um dos candidatos precisaria ter ultrapassado a marca dos 50% dos votos válidos.

O terceiro colocado é Franco Parisi, que passou toda a campanha nos Estados Unidos, onde vive. Em quarto, está Sebastián Sichel, seguido pela senadora Yasna Provoste.

Como noticiado por Oeste, esta foi a primeira eleição no Chile que não contou com a participação do atual presidente, Sebastián Piñera (de centro-direita), nem de sua antecessora no cargo, Michelle Bachelet (de centro-esquerda).

Piñera, que escapou recentemente de um processo de impeachment instaurado no Congresso, sofre com uma elevada rejeição. Bachelet, por sua vez, ocupa hoje o cargo de comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos.

O voto não é obrigatório na eleição chilena. Nos dois últimos pleitos presidenciais, a participação popular não passou de 50% dos eleitores. Em 2017, quando Piñera foi eleito, somente 46% dos chilenos votaram no primeiro turno e 48% no segundo.

Ascensão da direita no Chile

Conservador, Kast é um advogado de 55 anos. Ele mostra simpatia pela ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990).

Em seu programa presidencial, propõe diminuir a presença do Estado nas instituições, reduzir impostos, privatizar empresas estatais e eliminar o Ministério da Mulher e da Equidade de Gênero.

Kast já fez elogios ao ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump e ao presidente Jair Bolsonaro, com quem se encontrou pessoalmente em 2018, no Rio de Janeiro.

Gabriel Boric

O deputado esquerdista concorre em uma aliança entre a Frente Ampla e o Partido Comunista do Chile. Aos 35 anos, idade mínima para ser presidente do país, ele projetou sua carreira política a partir do movimento estudantil.

A articulação de sua candidatura se desenhou como continuidade das mobilizações para a implantação de uma nova Constituição no Chile. A redação da nova Carta Magna deverá ser concluída até outubro de 2022.

Título e Texto: Fábio Matos, revista OESTE, 22-11-2021, 6h40

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-