sexta-feira, 3 de julho de 2015

Uma bomba social prestes a explodir no solo brasileiro

Almir Papalardo

O pavio aceso de uma bomba destruidora, cada vez mais curto, ameaça explodir nossa paz social. Está insustentável a locomoção de qualquer membro da atual equipe governista, porque logo é repudiado e xingado por cidadãos insatisfeitos. Eles não têm segurança nem coragem de se infiltrarem sem escolta onde possa existir aglomerado de pessoas.

Esta insatisfação do brasileiro é tão patente que até nos Estados Unidos já aconteceu, quando Dilma e sua comitiva foi hostilizada por brasileiros inconformados que lá estavam! Este episódio lamentável para a dignidade brasileira, já se espalhou na Internet, agravando a já periclitante aceitação governamental no nosso agora ridicularizado país.

E uma das maiores fontes de insatisfação popular está voltada para o covarde massacre feito aos velhos e indefesos trabalhadores aposentados, quando, lhes são empurrados sem misericórdia pela goela abaixo, a má vontade política e a ferrenha obstrução pelos seus direitos constitucionais não reconhecidos pelo desleal desgoverno. Não admitem nem discutir estes direitos, haja vista, que tudo que é aprovado pelo Congresso, é vetado perversamente pela presidente. Nossos projetos criam mofo escondidos bem nos fundos das gavetas.

A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória. O que se planta colhe-se. O governo federal, inadvertidamente, em 1997, criou ferramentas abusivas para surrupiar aposentadorias, mantendo essa descartada categoria de trabalhadores devidamente manietada, pela repulsiva atitude de deturpar artigos da nossa Carta Magna, que protegia as aposentadorias de descabidas defasagens. Assim foram criados o Fator Previdenciário e a desvinculação dos reajustes dos aposentados da correção anual do salário mínimo.

Não se deram conta os parlamentares que implementaram aquelas políticas esdrúxulas, covardes e acomodadas, que tal procedimento, injusto e descabido, não podia mesmo dar certo no futuro. As diferenças percentuais podiam até ser pequenas no início. Quase não chamavam a atenção. Não tiveram, entretanto, visão responsável para visualizarem que, futuramente, com o acumulado nas diferenças anuais existentes nos índices de aumento entre aposentados do RGPS, ficaria inaceitável e denunciador vivo da torpe intenção de nivelarem todas as aposentadorias em apenas um débil e ridículo salário mínimo.

 A diferença nos percentuais de aumentos dos aposentados chegou a alcançar a casa dos 80,21%. Enquanto dois terços de segurados tiveram de 1998 até 2015 aumentos acumulados de 200,29%, os outros, correspondendo a um terço, tiveram um reajuste de apenas 120,08%. Quanta sandice, falta de inteligência, insensatez, considerando que vem por parte de políticos que têm a sublime missão de administrar o Brasil. Escolheram, oh insensatos, logo os velhos cidadãos aposentados, para serem usados e manipulados como bode expiatório?

Assim, continua aceso o pavio da temerosa bomba, pronta para explodir, se as últimas providências seriamente ameaçadas pelo veto da Dilma, terminarem com mais uma derrota para os aposentados. Cabe ao Congresso Nacional desarticular as arapucas contra os aposentados, apagando o pavio que já está bem próximo do petardo...  
Título e Texto: Almir Papalardo, 3-7-2015

Um comentário:

  1. Um texto fantástico, Almir! Retratas a caótica realidade brasileira como ninguém.... Gosto de ler teus textos, são bem escritos e bem fundamentados...
    Valdemar

    ResponderExcluir

Não publicamos comentários de anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-