domingo, 2 de janeiro de 2022

[As danações de Carina] Ausência sentida

Carina Bratt

HOJE QUERO DEIXAR nas minhas ‘Danações’, uma homenagem diferente à minha grande amiga Lia Luft, que nos deixou nesta quinta-feira, dia 30 de dezembro de 2021, aos 83 anos. Não pretendo falar nada que lembre a sua morte, tampouco esmiuçar a sua vida. Pretendo me recordar dela como a autora fabulosa de livros magnânimos como ‘Perdas e Ganhos’, ‘O quarto fechado’, ‘As Parceiras’, ‘Pensar é transgredir’, ‘O Lado fatal’, ‘O tempo é um rio que corre’, ‘As coisas humanas’, ‘A asa esquerda do Anjo’, e outros mais. Um texto dela, que gosto muito e tenho certeza, marcará esse momento para sempre, como literalmente, de todas nós, um dia.
Foto: Andréa Graiz/Agência RBS

Lia fala que... ‘estamos todos na fila. A cada minuto alguém deixa esse mundo pra trás. Não sabemos quantas pessoas estão na nossa frente.
Não dá pra voltar pro ‘fim da fila’. Não dá pra sair da fila. Nem evitar essa fila. Então, enquanto esperamos a nossa vez: faça valer a pena cada momento vivido aqui na Terra.
Tenha um propósito.
Motive pessoas!!
Elogie mais, critique menos.
Faça um ‘ninguém’ se sentir um alguém do seu lado.

Faça alguém sorrir.
Faça a diferença.
Faça amor.
Faça as pazes.
Faça com que as pessoas se sintam amadas.
Tenha tempo pra você̂.
Faça pequenos momentos serem grandes.
Faça tudo que tiver que fazer e vá́ além.
Viva novas experiências.
Prove novos sabores.

Não tenha arrependimentos por ter tentado além do que devia, por ter valorizado alguém mais do que deveria, por ter feito mais ou menos do que podia.
Tudo está́ no lugar certo.
As coisas só́ acontecem quando têm quem acontecer.
Releve.
Não guarde mágoas.
Guarde apenas os aprendizados.
Liberte o rancor.
Transborde o amor.

Doe amor.
Ame, mesmo quem não merece.
Ame, sem querer receber nada em troca.
Ame, pelo simples fato de você vibrar amor e ser amor.
Mas sempre, ame a si mesmo antes de qualquer coisa. Esteja preparado para partir a qualquer momento. Você não sabe seu lugar na Fila, então se prepare para deixar aqui apenas boas lembranças.
Suas mãos vão embora vazias.
Não dá pra levar malas, nem bens…
Se prepare DIARIAMENTE para levar consigo, somente aquilo que tem no coração...’.

Está aqui, muito bem colocada, queridas amigas, uma verdade incontestável. Uma verdade real com a qual um dia (não sabemos como, onde ou quando), todas nós nos defrontaremos com ela. Essa verdade não mente, não manda recados, não perdoa, age em surdina. Portanto, uma verdade soberana, imorredoura, incorruptível. Devemos, pois, vigiar em atenção redobrada. Ficarmos, sobretudo, ou permanecer de olhos abertos, todas preparadas. A fila anda. Saibam que não levaremos bagagens, não carregaremos dinheiro. Tampouco cartões de crédito, agendas, compromissos inadiáveis... não precisaremos de aparelhos celulares, de fones de ouvidos, menos ainda de roupas bonitas, sapatos de grifes famosas. Seguirá com a gente, somente aquilo que tivermos de bom, de agradável, de aproveitável, de magnânimo, dentro de nosso coração.

Lia seguiu em frente. A fila, para ela, andou. Ficamos por aqui, do lado fatal, dentro de um quarto fechado, tentando salvar a asa esquerda quebrada do anjo. As coisas humanas, é um tempo incerto, como um rio que corre... a nossa fila não para... a cada dia, a cada minuto, nos aproximamos da hora derradeira. Lia se foi como uma estrela incandescente que agora brilha lá em cima, e não só irradia, ilumina de forma plena nosso caminho a ser trilhado, a ser seguido, a ser descoberto.
Saudades de você, minha linda. Muitas saudades.
Saudades dos nossos bate papos em sua casa, em Porto Alegre.

Saudades iguais das entrevistas, dos chimarrões que tomamos enquanto você falava de seus novos projetos. Pois é, Lia! ‘Estamos todos na fila. A cada minuto alguém deixa esse mundo para trás. Não sabemos quantas pessoas estão na nossa frente.’ Meu carinho especial, pra você que me ensinou a escrever de forma simples e clara, sem rebusques, sem achar se agradaria ou não aos meus leitores. Descanse, minha amada amiga. Um dia nos encontraremos novamente e como nos velhos tempos, voltaremos a dar boas risadas e a trocarmos ideias para que eu siga meu caminho e seja alguém tão especial como você foi. O meu ATÉ BREVE.

Título e Texto: Carina Bratt. De Vila Velha, no Espírito Santo. 2-1-2022

Anteriores: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-