segunda-feira, 11 de julho de 2022

O fiasco das sanções impostas à Rússia pelo ‘Ocidente’

Europeus e americanos acharam que estavam dando um espetáculo mundial de unidade, força e virtude com a sua política de extermínio econômico total

J. R. Guzzo

Uma das melhores piadas do ano, com certeza, é esse Boris Johnson, que até outro dia despachava como primeiro-ministro da Grã-Bretanha. Johnson, um dos mais excitados militantes das represálias econômicas contra a Rússia, em castigo pela invasão da Ucrânia, deu como certo, mais de uma vez: “Putin está morto”.

Na sua análise dos fatos ele garantia que as sanções que os países da Europa e os Estados Unidos socaram em cima da Rússia tinham transformado o presidente Vladimir Putin em farinha de rosca; a economia russa seria destruída, a população iria se levantar em revolta e o regime seria derrubado. Aconteceu o contrário. Putin continua na sua cadeira, com popularidade de 80%. O rublo está mais forte hoje do que quando as sanções começaram. O superávit da Rússia na balança comercial é de US$ 250 bilhões, o dobro do que foi no ano anterior à guerra. Mais de US$ 1 bilhão entra a cada dia no país em petróleo e gás. Em compensação, Boris Johnson é o mais recente político desempregado do Primeiro Mundo — acaba de ser posto para fora do governo.

As sanções econômicas contra a Rússia, que iriam liquidar Putin, acabar com a guerra e levar a Ucrânia à vitória, foram um fracasso miserável. Europeus e americanos acharam que estavam dando um espetáculo mundial de unidade, força e virtude com a sua política de extermínio econômico total. Mas foram completamente ignorados pelo resto do mundo, da China ao Brasil, da Ásia à África, que continuaram seu comércio normal com a Rússia. Houve declarações educadas de condenação “à guerra” e de incentivo ao bem, mas em dinheiro, que é bom, ninguém mexeu. O resultado é que quem ficou isolado foram a Europa e os Estados Unidos; são eles, e não a Rússia, que estão hoje em crise econômica, com crescimento perto do zero e inflação perto dos 10% ao ano. Acharam que iam quebrar a Rússia fechando lojas da Gucci. Não entenderam nada.

As sanções são uma lição admirável sobre a caixinha de ilusões, cálculos errados e arrogância mental em que vivem os países de Primeiro Mundo e os seus governozinhos globaloides, medíocres e metidos a besta.

Europeus e americanos continuam convencidos de que os seus problemas são os problemas do resto do mundo. Estão aflitos com a proibição das sacolas de plástico, a participação de “transgêneros” no concurso de Miss Espanha e a alta na temperatura média na Groenlândia — e acham que todos têm de estar também.

Seus desejos, da mesma forma, têm de ser os desejos dos oito bilhões de habitantes da Terra, do combate ao “racismo sistêmico” até a vitória da Ucrânia. O fiasco das sanções mostra o quanto estão perdidos.

Título (as aspas são responsabilidade deste editor) e Texto: J. R. Guzzo, O Estado de S. Paulo, via Revista Oeste, 10-7-2022, 18h45

Relacionados: 
« Pour moi, la Russie a déjà gagné la guerre ! » - Le Zoom - Xavier Moreau - TVL 
A guerra de sanções falhou 
[L’édito de Valérie Toranian] Le sacrifice des Kurdes pour la « résurrection » de l’OTAN 
Lucien Cerise – Ukraine : la guerre hybride de l’OTAN 
Dá uma olhada na foto… 
Em guerra, Rússia promete manter comércio de fertilizantes com Brasil 
[Atualidade em xeque] O Aerus, a Aprus e a Ucrânia 
Ucrânia confisca bens do principal partido de oposição do país 
[Atualidade em xeque] Glória à Ucrânia 
Le retour du rideau de fer 
Ukraine/Russie : Zelensky à Davos – JT du lundi 23... 
[Atualidade em xeque] De genocídio a vergonhas diplomáticas 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-