quinta-feira, 8 de dezembro de 2022

[Daqui e Dali] Quem pertence à classe média?

Humberto Pinho da Silva

Numa tarde de verão escaldante estava num Centro Comercial da Baixa, com o amigo Júlio, quando, de repente, ouço alarido de vozes acaloradas que versavam sobre preços e salários.


Em suma, diziam: quem recebe salário mínimo, mal pode sobreviver.

Então, o Júlio vira para mim, seus belos olhos castanhos, e dispara: “Olha lá, tu sabes-me definir o que seja classe média?”

Gaguejei, tossi e disse: “Boa pergunta. Certa vez, responsável afirmou que quem ganhava mil e trezentos, podia-se considerar rico...”

Então o Júlio de sorrisinho maroto, obrigou-me a racionar: “Sabes, porventura, quanto é preciso alguém obter mensalmente para se dizer que pertence à dita classe?”

Não lhe soube responder, nem quantia mínima nem máxima.

E o Júlio de sorrisinho bailando nos pálidos lábios discorreu: “Pensa bem, família formada por casal e filho. O marido usufrui mil e quatrocentos, mensais. A mulher é dona de casa. Pertence, na tua opinião, à classe média?”

“Acho que sim”, respondi a medo, receando a astuciosa pergunta.

Mas o Júlio deleitado pela conversa, prosseguiu: “Pensa agora noutra família, formada por casal e um filho. Ambos recebem salário mínimo. São da classe média?”

“Onde queres chegar com esta arenga?”, inqueri.

“Apenas isso, aumentando o salário mínimo (que é insuficiente para alguém viver dignamente,) é justo; mas olvidando a família, que vive com salário pouco mais superior, pratica-se tremenda injustiça. Bem sei que o IRS tenta regular as incorreções, mas sei também, que há sempre processo de o contornar...”

“Queres dizer” – acrescentei – “que é incorreto subir o salário mínimo!...”

“Não disse isso. O que se deve é olhar para o rendimento da família e não para o salário de cada um. Isso é socialismo.”

Meu amigo Júlio, com a filosófica conversa, queria chegar à utopia. Na teoria pode ser possível, mas na prática?...

Agora pergunto ao leitor: quanto deve ter de rendimento, uma família, com um filho, para pertencer à classe média?

Título e Texto: Humberto Pinho da Silva

Anteriores: 
“Impávidos marotos” ou os cromos de Natal 
A propósito de um comentário no "Luso-Brasileiro" 
O meu Menino Jesus 
Ser doutor é necessário 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-