quarta-feira, 14 de dezembro de 2022

Promessa de novos desastres

Antes de assumir a Presidência, Lula está jogando no lixo o valioso trabalho de recuperação feito nos últimos anos em benefício das estatais e dos seus donos legítimos, a população brasileira

J. R. Guzzo

As empresas estatais brasileiras, uma peça crítica no conjunto das finanças públicas do país, estão voltando velozmente à situação de calamidade que viveram nos governos Lula-Dilma — quando deram os maiores prejuízos de suas histórias, foram arrastadas para a beira da falência e se viram assaltadas por uma onda de corrupção sem precedentes em qualquer época. Agora, antes mesmo de Lula assumir de novo a Presidência, todo o valioso trabalho de recuperação feito nos últimos anos em benefício das estatais e dos seus donos legítimos, a população brasileira, está sendo jogado no lixo. Como resultado direto da Operação Lava Jato, da nova Lei das Estatais aprovada no governo Michel Temer, e da boa gestão que tiveram nos quatro anos do governo Bolsonaro, as estatais deixaram de ser um câncer e passaram a ser uma fonte de recursos para a sociedade brasileira. Estão voltando, porém, a ser a desgraça que foram durante os governos do PT.

A Câmara dos Deputados, que aderiu imediatamente a Lula depois da eleição, e já está funcionando hoje como um serviço de despachantes do novo governo, acaba de aprovar, sem qualquer motivo sério e sem nenhuma discussão, mudanças doentias na Lei das Estatais. Era proibida a nomeação de diretores que tivessem exercido funções políticas nos três anos anteriores; o prazo passou a ser de 30 dias, unicamente para permitir que o dirigente petista Aloizio Mercadante assumisse a presidência do BNDES e do seu caixa bilionário. O problema não é só Mercadante — um dos grandes mestres-salas da ruína econômica da era Lula-Dilma, e promessa viva de novos desastres antes mesmo de assumir seu cargo. As mudanças abrem a porteira para dezenas de figuras iguais a ele, ou piores ainda, assumirem o comando das estatais. A presidência da Petrobras, por exemplo, pode ser entregue a um deputado do PT; não há, nem sequer, uma tentativa de disfarçar a imediata transformação das empresas públicas em propriedade privada de Lula, do seu partido e dos seus amigos.

A Petrobras teve um lucro líquido superior a R$ 100 bilhões em 2021, o último ano com números fechados; foi um recorde histórico, que deve se repetir em 2022. No tempo de Lula e Dilma, foi tão roubada e deu tanto prejuízo que quase quebrou. Suas grandes obras foram a Refinaria Abreu Lima, que deveria custar US$ 2 bilhões, custou mais de 20 e até hoje não está pronta, e a compra da refinaria norte-americana de Pasadena, uma montanha de ferro velho que jamais serviu para nada. Seus diretores foram grandes estrelas, no banco dos corruptos da Lava Jato; chamaram a atenção do mundo por confessarem seus crimes e devolverem, junto com as empreiteiras de obras, bilhões em dinheiro roubado. É para essa situação que a Petrobras promete voltar. Lula diz o tempo todo que vai fazer a Petrobras ser de novo “o que era”. Ela era isso — Abreu Lima, Pasadena e roubalheira desesperada.

O ex-presidente achou tempo, também, para informar que “vai acabar privatizações [sic] neste país”.  Diz que agora, sob o seu comando e as suas luzes, as estatais vão “provar” que podem ser lucrativas. Do que ele está falando? As estatais, que segundo Lula foram “destruídas” por Bolsonaro, vão fechar o ano de 2022 com R$ 250 bilhões de lucro — cifra que jamais foi atingida antes e sabe lá Deus se serão atingidas de novo algum dia. O que Lula e o PT prometem é exatamente o contrário.

Título e Texto: J. R. Guzzo, O Estado de S. Paulo, via Revista Oeste, 14-12-2022, 18h

Relacionados: 
Jovem Pan afasta Tiago Pavinatto por ironizar discurso de Moraes 
Como foi o samba na casa de Kakay do qual Lula e Moraes participaram 
Sempre os mesmos de sempre 
Lula e a farra das estatais 
O preço do centrão para votar a PEC da Gastança 
CNJ manda suspender perfis de desembargadora que apoiou manifestações 
[Livros & Leituras] Sobre a Liberdade 
Brazil is Falling, So is the U.S. The World Ignores It to Cover for the American Left 
Governo Lula não vai resultar em nenhum benefício real para a população 
A crise na Fiesp 

Um comentário:

  1. A população brasileira, meu caro J. R. Guzzo não existe. Logo os "desastres" não vão atingir ninguém da raia miúda, ou da famosa legião Zé Povinho.
    Aparecido Raimundo de Souza
    da Lagoa Rodrigo de Freitas, RJ

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-