domingo, 8 de janeiro de 2023

Escândalo moral sem precedentes

Se desagradar ao ministro Moraes e ao resto do STF, ou ao sistema de repressão do governo Lula, qualquer cidadão é punido

J. R. Guzzo

É perigoso estar certo quando o governo está errado — o governo ou os que mandam no país, o que dá na mesma, sobretudo quando eles governam com a polícia, e não com a lei. No Brasil de hoje é pior. Tanto faz se você está certo, errado ou nenhuma das coisas. Se desagradar ao ministro Alexandre de Moraes e ao resto do STF, ou ao sistema de repressão do governo Lula que se juntou a eles desde o dia 1º de janeiro, qualquer cidadão é punido — e não terá direito a advogado, processo legal regular ou qualquer garantia estabelecida pela Constituição brasileira.

Ninguém ouve as suas razões, ou os seus argumentos — na verdade, o cidadão não tem a oportunidade sequer de abrir a boca. É preso, multado, impedido de acessar sua conta no banco, banido das redes sociais, proibido de manter em sigilo suas comunicações pessoais e punido, pela força da Polícia Federal, por qualquer coisa que o STF possa querer — o STF e, agora, a ala policial do governo Lula. A ambos se juntam as plataformas estrangeiras que controlam as redes sociais.

É a negação direta da democracia, por qualquer critério que se encaixe dentro da lógica comum. Qual poderia ser a dúvida? A autoridade pública, no Brasil de hoje, não obedece mais às leis a que não quer obedecer — ou, até pior que isso, vai escrevendo as leis para dar a si própria a autorização de fazer o que bem entende. Se isso não é ditadura, ou uma ditadura em formação, seria o que, então? As agressões simultâneas aos jornalistas Guilherme Fiuza, banido das redes sociais por forças que se pretendem “ocultas”, e Rodrigo Constantino e Paulo Figueiredo, que tiveram seus passaportes cancelados e suas contas bancárias bloqueadas por Alexandre Moraes, sem qualquer fiapo de lei que lhe permita fazer nada disso, são um insulto aos direitos civis e à liberdade pública.

São também um escândalo moral sem precedentes. Os jornalistas são acusados de crimes que simplesmente não existem na legislação brasileira: “discurso de ódio”, “desinformação” e “atos antidemocráticos”. É como se fossem acusados penalmente por adultério, ou por faltarem à missa; como vão se defender, se a própria lei diz que eles não cometeram delito nenhum?

É claro que, além disso, nenhum deles tem direito às garantias mínimas de qualquer cidadão — seus advogados não podem nem mesmo acessar os autos para saber, exatamente, do que estão sendo acusados. Também não podem recorrer a ninguém. Mas a mídia, as classes civilizadas e a elite “liberal” acham que os três escrevem ou dizem coisas “bolsonaristas”, ou de “direita” — que horror, não? Para quem faz isso, a democracia do Brasil de hoje não dá direito nenhum.

Título e Texto: J. R. Guzzo, O Estado de S. Paulo, via Revista Oeste, 8-1-2023

Relacionados: 
Como as ditaduras nascem 
Surpreendentemente a palavra "milícia" deixou de existir para a grande mídia 
A maldição dos 40 ameaça um setentão 
A era da grande mentira 
Aqui eles têm voz: Constantino e Fiuza falam sobre a censura do STF 
'Jornalismo': Agência checa até picanha para defender Lula

2 comentários:

  1. Que loucura! Tentaram tomar os Três Fuderes. Alguns quase morreram afogados.
    Aparecido Raimundo de Souza
    Do Sítio Shangrilá. Ainda um lugar perdido no meio do nada.

    ResponderExcluir
  2. FOTO LEGENDADA ACIMA

    Mi"si"nistro Alexãodre de Borrais:
    - Se me tirares do sério, dou-lhe uma canetada. Determin... que...
    FulaGuMuCuLula:
    - Calada! Faço pior, companheiro. Bosto você fora da corte e lhe aposento compulsoriamente...

    Aparecido Raimundo de Souza
    do Sitio Shangrilá, um lugar perdido no meio do nada.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-