terça-feira, 5 de janeiro de 2021

[Aparecido rasga o verbo] Copo transbordado

Aparecido Raimundo de Souza

ALTAS HORAS DA NOITE
, o Augusto Cabeleira, o derradeiro freguês ao deixar o bar da Lili Tomba Fêmea, como sempre, mais bêbado que um gambá descontrolado, sem saber exatamente para que direção seguir, ao invés de tocar o bonde para a sua residência, por sinal, perto do estabelecimento, se enveredou por uma viela diferente e desembocou numa mais diferente ainda. Se não tivesse entornado todas, saberia que aquela não era a rua da sua casa e, mais, entenderia que nunca antes havia estado ali, embora o bairro onde morava fosse pequeno e tirando, um ou outro beco, as outras ruelas e desvão, ele nunca havia sequer cruzado as suas esquinas. 

Nesse tropeçar vacilante, segurando ora num carro estacionado, ora se apoiando num poste, entrou com tudo no primeiro portão escancarado que encontrou pela frente. Bateu palmas, enquanto se segurava na mureta onde deveria existir um portão. A moradora, uma jovem ai pelos trinta anos, acondicionada num pijama de flanela vermelho, veio atender. Assim que divisou o vulto trôpego, ocasionado pela ingestão das doses ingeridas, Augusto Cabeleira fez a pergunta que bailava na ponta da língua: 
— Boa noite, dona! Seu... Seu ma... Ma... Rido está em casa? 
A mulher, sem entender o que aquele esquisito fazia na sua frente, de pronto, não disse nem sim, nem não, mas indagou, curiosa: 
— Quem é o senhor? O que quer com meu marido? 
— Ele... Ele está? 
— Sim, está. Por? Acaso precisa de alguma coisa? Quer ajuda? Vou chamá-lo... 
— Des... Des... Des... Culpe... Não há neces... Necessidade. Tchau! 

Augusto Cabeleira deu meia volta com dificuldade cada vez mais acentuada e sem deixar de trocar as pernas, se afastou. 
Bateu na segunda porta. A do doutor Rubião, delegado de polícia. Augusto Cabeleira não sabia, nem de longe, que o delegado de polícia da cidade morava ali. Veio atender uma senhora idosa, olhar cabreiro, expressão carrancuda e franzida. Todavia, armada de um possante trinta e oito (posto que estava acostumada a ser acordada no meio da noite, não só por pessoas da comunidade, como pelos próprios policiais que estavam a serviço de seu esposo) gritou, segurando a maçaneta que acessava todo o resto da habitação: 
— Boa noite. Quem é o senhor? O que quer com meu marido? Algum problema na delegacia? 
— Senhora, me diga... Ele esta..? 
A senhorinha não viu nada demais em responder: 
— Sim, ele está no banho. Rubião acabou de chegar da chefatura. Quer que eu vá chamá-lo? 
— Per... Per... dão... Foi... Foi mal... 

Augusto Cabeleira tratou de se escafeder dali o mais depressa possível. Se o delegado doutor Rubião viesse ter com ele, certamente seu resto de noite seria um inferno. Dormiria no xilindró. Sabia, pelos amigos de copo, que o sujeito se constituía numa carne de pescoço difícil de ser ingerida. Segundo relatos de seus companheiros, o homem não gostava de aturar beberrões. Ainda mais pinguços chatos. E ele, quando bebia, ia muito além da condição de maçante e pegajoso. Relembrara de uma história que, certa vez, contara o Botão Sem Casa, sobre Pingado Batatinha, um dos muitos amigos das noitadas que se prolongavam até altas horas. 

Pingado Batatinha fora conduzido à presença da criatura, depois de ter quebrado uma cadeira nos cambitos de uma sirigaita, com a qual transara e se negara a pagar pelos serviços da prostituta. Além de uma boa sova nos costados, os fardados ainda lhe deram um prolongado banho frio de mangueira e, para acalmar os vapores do álcool, o doutor Rubião o colocou para dormir pelado no meio de outros detentos. Foi o diabo! Por conta deste evento, até hoje corre uma noticia na comunidade, alimentada, logicamente pelos boquirrotos e coscuvilheiros de plantão. 

Se verdadeira, ou não, o fato trás à baila uma resenha ignóbil dando conta de que o infeliz do Pingado Batatinha saiu do prédio da brigada policial, na manhã seguinte, capengando, em face de ter sido deflorado por um sujeito alto, careca, parrudo e sem nenhum dente que pudesse lhe agradar o sorriso. 

Encostou na terceira casa. Esta ao menos, tinha campainha. Veio atender uma moça nova, e apesar da ebriedade saliente e destacada, percebeu nos braços dela, um gatinho branco: 
— Pois não, senhor? 
— Des... Des... Culpe... Pe... Pelas horas... Seu mari... Seu mamariii... Iiiido se encontra? 
A beldade respondeu imediatamente de forma rígida e severa: 
— O que quer com meu marido? 
— E... Ele... Es... Está? 
— Quer que vá chamá-lo? Isto lá são horas de bater na casa de um advogado? Por que não foi no escritório dele? O senhor está com algum problema na justiça? Na delegacia, talvez?! 
— Es... Esque... Esquece... Dona... Tchau... 

Trocando as pernas e ainda necessitando da ajuda dos carros estacionados ao longo da rua e sem perder de vista as árvores, vomitou numa delas, as tripas. Cinco casas depois da nojeira que lhe saíra boca afora, em outra quadra, quase a ponto de ser mordido por um cachorro de modos violentos e pouco afeito a amizades, tocou a campainha de outra edificação. 

Pintou, no pedaço, apesar do adiantado das horas, um encanto de mulher. Rosto de rainha, os cabelos soltos ao acaso da noite, metida num shortinho minúsculo mostrando uma barriguinha tipo tanquinho, um umbigo com um piercing grudado em formato de coração, as pernas compridas e deliciosas, sem falar no resto. A encantada abriu a porta de supetão e saiu afoita, como se esperasse a chegada de um príncipe encantado montado num cavalo branco como nos filmes dos contos de fadas. 

Augusto Cabeleira quase teve um desmaio repentino, diante daquele augusto pedaço de caminho, que fazia emergir, de uma só vez, todos os pecados voluptuosos e devassos existentes dentro de si: 
— Boa noite, senho... Senho... Senhorita... Por acaso... Por aca... Acaso... Seu ma... Marido se encon... Se encontra? 
— Bem, meu senhor... Ele ainda não chegou... 
Augusto Cabeleira teve um breve reconforto na alma tomada pelo consumo das cervejas e pingas que emborcara goela abaixo: 
— A senhori... A senhorita tem cer... A senhorita... Tem... Cer... Cer... Teza? 
— Claro. Acha que não conheço meu marido e não sei quando está ou não em casa? 
— Em... Então, por... Por genti... Gentileza... Chega um porco... Mais per... Perto... 
— Como é que é, cavalheiro? Porco? — Que porco?! 

— Eu... Eu disse... Eu disse porco? Não, me desculpe. Pedi pa... Pedi, para chegar um pouco... Um pouco mais... Mais perto... De onde a senhori... De onde a senhoooooorita tirou o porco? 
E completou, quase indo de fuça ao chão: 
— Por que eu faria isso? Por... Porco? Pelo amor... Pelo amor de Deus... Chega mais perto. 
— Eu é que pergunto: Por qual motivo eu faria tamanha idiotice de chegar mais perto do senhor? Nem lhe conheço! 
— Desculpe... Por favor, me perdoe... Roro... Rogo, chega mais perto e venha ver... 

— Ver o que, senhor... Vou chamar a polícia. 
— Não, não precisa. Só venha até aqui... Se aproxima um bocadinho mais... 
— Insisto, meu senhor, para eu ver exatamente o quê? 
— Venha... Venha conferir se eu não... Venha ver e me dizer, com todas as letras, se não sou eu... Se não sou eu... Dro... Droga... Venha fazer uma acareação e me dizer, se eu não sou o seu marido... 

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, Espírito Santo. 5-1-2021 

Colunas anteriores: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-