sábado, 3 de abril de 2021

Quando a esmola é pouca, o pobre desconfina

O empobrecimento é o destino comum de cada governação socialista. A diferença é que nem o eng. Sócrates aproveitou a gripe das aves para trucidar a economia e suscitar dependência por duas gerações

Alberto Gonçalves

Novidades da pandemia? Aqui vão elas. Dois terços das famílias portuguesas sofrem dificuldades financeiras. Em apenas um ano, a quantidade de desempregados inscritos – os não inscritos são um caso à parte – nos ditos centros subiu 37%.  A Rede de Emergência Alimentar auxilia 80 mil pessoas, algumas com profissões que teoricamente as colocariam na classe média e que agora passam fome. Os indivíduos sem-abrigo multiplicaram-se. O comércio a retalho perdeu 200 milhões de euros em 2020. Na hotelaria as perdas rondam os 90%. Metade dos restaurantes fecharam, muitos para sempre. As falências em geral vão crescer 19% em 2021 (estimativa optimista). E boa parte das moratórias ao crédito, que envernizavam a catástrofe, acabaram esta semana. Etc. Etc. Etc.

Na verdade, nada disto decorre da pandemia: tudo decorre das medidas tomadas para alegadamente combater a pandemia. Até ver, a Covid matou 16 mil pessoas (tradução: morreram 16 mil pessoas com teste positivo à Covid). Em breve, saberemos quantas pessoas foram arruinadas pelas medidas “contra” a Covid. Se é que não sabemos já: a pretexto de um vírus com mortalidade irrisória para a grande maioria da população, o governo e o presidente da República atiraram para um desastre garantido a quase totalidade da população. Não falo aqui dos milhões de consultas canceladas, das 54 mil cirurgias urgentes “adiadas” e dos não sei quantos homicídios por negligência. Nem falo das liberdades que se aboliram, do estado policial que se criou e da humilhação progressiva dos que eram cidadãos e hoje são lacaios.

Aqui, falo apenas do desastre material. Uma percentagem significativa começa a sentir no bolso e na barriga as consequências deste crime, porque perdeu emprego, casa, e o hábito de um jantar decente. Centenas de milhares experimentarão em breve os prazeres desse “lifestyle” alternativo. E um dia, que não será longínquo, mesmo os que ficam em casa por medo ou preguiça, a respeitar “confinamentos”, a desrespeitar o sofrimento alheio, a receber o salário e a esgotar a seleção da Netflix, vão pagar a fatura do monstro que ajudaram a alimentar. Embora pensem que não.

Por enquanto, estamos em fase de transição, sob uma espécie de anestesia feita de “lay-offs” e promessas incumpríveis. Ou de promessas que, como se viu no recente diferendo “constitucional” com Belém, não ocorre a quem manda cumprir. Quando não são puras mentiras, os famosos “apoios” são uma pequena fracção dos anunciados, e uma fracção minúscula dos necessários. Se o povo espera por dinheiro, convém que espere sentado – se, entretanto, não lhe retirarem o sofá por dívidas ao fisco ou à banca. Salvo por umas migalhas para apaziguar momentaneamente a administração pública, a “bazuca” metafórica, agitada por trafulhas para espantar pacóvios, está evidentemente reservada ao patrocínio de negociatas ruinosas. Uma bazuca literal, que afugentasse para as Galápagos as quadrilhas em funções, talvez nos poupasse a males maiores. Assim como estamos, resta-nos o “novo normal”. E não tenham dúvidas: o “novo normal” é a miséria.

Naturalmente, o empobrecimento é o destino comum de cada governação socialista. A diferença é que nem o eng. Sócrates aproveitou a gripe das aves para trucidar a economia e suscitar dependência por duas gerações. A pobreza que se aproxima transformará a de 2011 numa saudade. E as ilusões em sentido contrário não mitigam a realidade. Independentemente das intenções, reduzir o mundo à Covid tem um preço. Aos poucos, o mundo vai lembrar-nos que não deixou de existir e o que o desprezo a que o votaram custará caro. Aos poucos, com ou sem casos, com ou sem mortos, com ou sem vacinas, com ou sem R(t), os portugueses perceberão que a Covid é uma ligeiríssima maçada se comparada com um sofrimento coletivo a sério. Aos poucos, o lendário risco de cair num ventilador será anedótico perante o sufoco garantido em que a vida se tornou. Em janeiro, a fim de ilustrar as mortes com Covid, pediam-nos para imaginar a queda diária de um Boeing: a solução passou por enfiar os 9.984.000 sobreviventes num imenso Titanic. E há um imenso iceberg ali à frente.

Fora as sociedades que, por escassez de “confinamentos”, não sentiram a loucura “motivada” pela Covid, as outras dissiparão a loucura por uma de três vias: a sensatez dos líderes, a insurreição do povo, o desespero dos infelizes. A opção caseira é evidente. Conosco, isto só vai lá pelo instinto de subsistência, a incerteza da renda e da refeição seguintes, o instante em que se descobre que matar o bicho é ainda mais improvável do que ser morto por ele.

Claro que, nessa altura, será tarde e Inês morta. Ou estraçalhada por taxas “solidárias” e “regeneradoras”. Ou desempregada e na fila da cantina social. E, claro, que mesmo então os desgraçados atribuirão a respectiva penúria aos “excessos” do Natal, ao sr. Bolsonaro, às festas “ilegais” ou à aurora boreal. É pena os desgraçados esquecerem-se de que a culpa da penúria não foi dos fenômenos míticos que a propaganda lhes meteu na cabeça: foi do dr. Costa, do prof. Marcelo, das “autoridades” em geral, dos “especialistas” em particular, dos “telejornais” e, na vasta maioria, deles próprios. Quando a esmola é pouca, o pobre desconfina. Por azar, estará pobre como nunca e inimputável como sempre.

Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 3-4-2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-