domingo, 4 de abril de 2021

[Aparecido rasga o verbo] E assim, a passos largos, caminhamos para a crucificação encarnada

Aparecido Raimundo de Souza

A morte chegará em forma de vírus mortal, montado em asas rápidas
C. S. Lewis

O BRAZZZIL TEM UM PERFIL magnificamente desastroso. Uma cara suja e anêmica. Os olhos azuis que poderiam enxergar um futuro promissor, se quedaram cegos. O país, como um território soberano, deixou de sê-lo, faz tempo. O Brazzzil está doente, acamado, jogado às traças num enorme corredor de um hospital de periferia do SUS, ou ‘Sistema Único Sucateado’. Não sabemos qual é o verdadeiro diagnóstico. Alguns dizem que foi uma gonorreia braba e incurável que pegou quando transou com o PT (Partido dos Trambiqueiros) nos tempos em que um tal de Lula da Silva Mula brincava de presidente.

Outros, mais afoitos, culpam o Temer (aquele sujeitinho com cara de Pablo Vittar, que não cantava, mas andava com o nariz empinado em vista de viver fugindo do cheiro de merda). Uma terceira corrente aponta e não só aponta, assevera que o Brazzzil está às portas de ir para a puta que o pariu, em face de ter se apaixonado pela Dilma (aquela que Rouboussett), e, além de não ser correspondido, saiu com um belo par de chifres. Pelo sim, pelo não, a doença que ataca nosso lindo e aconchegante país, está por um fio, para leva-lo, de vez, a se romper, em meio às sarissas cortantes e pontiagudos da avassaladora corrupção.

Em vista disto, podemos ver, diante de nós, um quadro clínico horripilante, retrógrado, sucateado, poluído e contaminado. Há, por ai, suspenso no ar, uma taxa de mortalidade que evolui, a níveis estratosféricos. As mortes pela Pandemia do Lauro Corona Vírus batem recordes, a cada novo amanhecer. São mais de cem mortos-dia. As medidas (sem medidas) de ‘contenção, servem para ingleses verem’.

Dizem os especialistas em tirarem leite de pedra, que as medidas foram para a casa do Carvalho. Os leitos e leites sumiram, os insumos para as vacinas em massa voaram para patamares que somente podem ser vistos por moradores de rua ou por pessoas que trepam em postes e fingem ser transformadores de energia para ganharem alguns trocadinho dos que passam desfilando em seus elegantes automóveis.

A nação se meteu num caminho sem volta. Seu Comandante, por ‘mau-mal’ dos pecados, perdeu a bússola. O noiado trafega num transatlântico sem GPS, sem carta de navegação. Está à deriva. Não há um porto onde ancorar. A raia miúda, se embrenhou por uma estrada que, a cada minuto, diminui as possibilidades de achar um retorno, ou, no pior dos desassossegos, achar um chão amigo e bem cultivado, onde possa tomar impulso e se soerguer condignamente.

O Brazzzil perdeu a sua moral. Cagou nela. O seu decoro se degringolou. Seus líderes se venderam, se prostituíram. Negociaram seus rabos, conchavaram as almas (se é que as tinham). A Constituição Federal virou uma colcha de retalhos cheia de respingos de porras. Estamos todos, como diria Santos Dumont, antes de botar fogo no 14BIS, ‘voando, igualmente num avião em rota de colisão com a aeronave do Apocalipse’.

Pensamos, em face deste evento, estarmos sendo conduzidos para um desastre fatal, e de proporções jamais imaginadas, Pressentimos que, logo adiante, despencaremos, pior, nos esborracharemos em algum lugar lá embaixo, pior que os incêndios que misteriosamente acontecem na Amazônia. Nossos falsos heróis permutam acordos, se digladiam, se doam, se misturam. Mergulham de cabeça em missões marginais, bem entendido, marginais para nós, para eles, o paraíso. No bolo, apenas uma questão de interpretação.

De norte a sul, visto por uma ótica anunciada, nos tornamos num grandessíssimo puteiro. Dito de forma mais amena, para não assustarmos os menos desavisados. O Brazzzil é um enorme galinheiro, onde em seu pau sujo de titica abundam galinhas e galos da pior qualidade. No mesmo norte, nossos parlamentares, logo ao lado (num chiqueiro mais requintado e apurado, conhecido como Epicentro brazzzilia), se assemelham com aqueles morceguinhos lindos e charmosos, os famosos Pangolins.

Recentemente, um cientista conhecido entre nós, como Professor Pardal (formado pela Universidade Federal de Patópolis e se graduado nos Estúdios Walt Disney Company), jura, os pés juntos, que ‘estes mamíferos são os responsáveis pelo vírus da Covid-19’. O que achamos deveras engraçado, ou melhor, extremamente cômico, nesta sacanagem toda e reputamos como 'estapafúrdico', não outra asneira, senão o fato de, somente agora, o ilustre professor Pardal e seu digníssimo mentor, o doutor Carl Barks, descobrir o que todos os brasileiros já sabiam desde a invenção da roda quadrada.

Alto lá. O que ‘todos os brasileiros já sabiam?” Ah, que os mamíferos que nos transmitem as piores doenças são chamados de excelências, de ministros, de senadores e até de doutores. Estas desgraças vestem cuequinhas da Calvin Klein e da Lupo. Usam terninhos da Dolce&Gabana e os mais humildes, preferem os feitios mandados fazer sob encomenda na italiana Ermenegildo Zegna e, igualmente, da Brook’s Brothers. Como complemento, usam sapatos importados pela Salvatore Ferragamo.

No mesmo saco de gatos miando, os nossos Poderosos feitos de papel moeda, se deslocam, para cima e, para baixo, em luxuosos automóveis último tipo 'super-blindados', com um punhado de cachorrinhos travestidos com as vestes de orangotangos da polícia federal escoltando seus traseiros sujos de merda. Enquanto isto, a banda podre, o proletariado, o Zé Povinho, o Minguado, perde a vida nos corredores das UPA’s, em face da Covid-19, que se alastra por todos os cantos (não, evidentemente, na velocidade deslumbrante com a qual os mamadores das tetas chupam e masturbam o dinheiro de nossos bolsos), este assalto é mil vezes mais rápido e eficaz.

Enquanto somos saqueados, percebemos estar presos, braços, mãos e pernas, a espeluncas, ou (cabides de emprego) como Anvisa, os comitês inoperantes de combates à pandemia, a conselhos nacionais de saúde e a furados programas nacionais de imunizações que bem sabemos, não imunizam porra nenhuma, senão as carteiras dos grandalhões que se aproveitam da situação para beberem nosso sangue.

Não temos certeza se este câncer que nos amedronta é verdadeiro ou politiqueiro. Tudo indica ser uma enorme armação onde existe muito dinheiro em jogo para ser distribuído aqui, ali e acolá. Mais acolá. De certo, de positivo e palpável, o que entendemos, ou o que vemos, é que estamos, sem dúvida alguma, diante de uma Babel na ‘UTI, uma Babel UTEIsada’, pior que a descrita na Gênesis 11: 1-9.

Por que pior? Porque aquela Babel da Bíblia não ia além de um mito fantástico. A nossa, a atual, a que todos falam e só nós, jumentos de carteirinhas e sindicatos não entendemos, se tornou a verdadeira, a real. Esta enfermidade está presente como uma sombra negra e de presságios horripilantes e assombrosos rondando nossas cabeças.

A putaria anda tão à solta (apenas à título de exemplo, que o governador do Rio de Janeiro, coisa de uma semana atrás, um tal de Claudio Castro, publicou um decreto proibindo festas. Pasmem, senhoras e senhores! O pilantra editou um decreto e ele próprio, não o respeitou. Cara de pau, o ilustre Claudinho veio à público vomitar a todos os cariocas que ‘não fizessem festas’.

A imprensa divulgou, um dia após o evento, em vários telejornais, a sua 'festinha-bagunça' de aniversário, com um bocado de cheiradores de cus, dançando e pulando em sua mansão, todos, sem exceção, com as fuças sem o uso de máscaras. Um vagabundo desta laia, deveria estar na cadeia, se o nosso Brazzzil, claro, fosse um país sério.

Enquanto a população está indo para a vala comum do desespero, numa velocidade espantosa (somos mais de 351.366 mortos) uma média de mais de 6 mil mortes por dia, Brazzzilia promoveu, em cerimônia fechada, a posse de novos caras de paus, para comandarem espeluncas inoperantes que servem apenas para desviarem o foco de onde o nosso dinheiro público verdadeiramente vai parar depois que, num passe de mágica foge de nossos bolsos.

Na mesma corrente da água podre, o Brazzzil continua endeusando o cachaceiro Lula e, agora, novamente se tornando elegível, graças ao STF (Superior ‘Tribundal’ de Falcatruas) uma multidão de babacas tentarão levá-lo, de novo à presidência. A gentalha imbecilizada, com cara de BBB-Global, enterra seus mortos, ao mesmo tempo em que a Covid-19 avança a passos largos. Sem nenhum tipo de preocupação, os chatos grudados nos pentelhos do Planalto Central estão preocupados em aumentarem seus salários, com a criação de leis que beneficiem seus bolsos. A dança das cadeiras bonitas, está a todo vapor.

O que não faltam, são bundas e rabos, rabos e bundas de todos os partidos querendo sentar e gozar das benesses e das mordomias pagas com o suor de nossos costados. Em face do que aqui trouxemos, algumas indagações ficam bailando no ar: quais são os rumos da nossa falida democracia? Alias, existe democracia? Dá pra gente comer com feijão e arroz?

Quais são as verdadeiras intenções dos flibusteiros que atualmente ocupam o poder? Quando as vacinas para salvar as vítimas da Cvid-19 deixarão de ser roubadas? Quando os hospitais deixarão de matar os pacientes entubados para receberem, por fora, a quantia de R$ 19 mil reais por defunto enterrado?

No mesmo chute no saco, até quando os senhores da saúde seguirão promovendo estatísticas fraudulentas para as autoridades constituídas? Um fato nos chama a atenção: não estariam todos estes crápulas dançando Zeca Pagodinho na mesma roda de samba, mancomunados em busca do mesmo fim? Fazemos referência ao ‘fim dinheiro nos bolsos’.

Seguindo no rol das indagações, quando as indústrias farmacêuticas deixarão de pensar só em aumentar o fluxo de seus caixas? Quando os prefeitos e governadores deixarão de roubar da população que os colocou no poder? Quando o robotizado do pobrezinho deixara de tomar a ‘vacina de vento?’.

Sem nos embrenharmos na tentativa de desviar o foco, qual a função do pardieiro STF? Soltar Traficantes Famosos?! Carecemos ter uma enxurrada de ministérios? Como acabar com a fome, com a população carente que vive abaixo da linha da pobreza? Um ‘deputa’ disse que seria fácil, bastava cortar a linha com uma tesoura. Quando o Brazzzil se tornará uma nação gigante, honesta, transparente, liberta, sem amarras, sem algemas, e o Estado Democrático de Direito, passará a cumprir, à risca, a função para o qual foi criado?

Por derradeiro, quando este paizinho de brincadeira se livrará desta cortina de fumaça que enfeia a sua cabeça, que 'ajumenteia' o seu corpo, escorraça a sua alma à níveis de além-mar? Quando a Boa Terra descoberta por Cabrito, perdão, Cabral, sairá deste círculo vicioso? Quando nossos podres parlamentares deixarão de ser um bando de vigaristas e viverem na gandaia, usando a máquina pública em benefício de suas vidas pessoais?

Quando acabará a falta de empatia, quando terão fim as UTI’s lotadas, as filas para vacinar a população, à espera interminável por leitos, a baderna da falta de remédios e aparelhos para as entubações urgentíssimas? Quando acabarão as farras do oxigênio, os desrespeitos aos médicos, aos enfermeiros e ao pessoal (os tementes à Deus, não os calhordas que aplicam injeções de vento) que lida com os PA’as superlotados? Aqueles que souberem, por gentileza, respondam e, por favor, deixem abaixo deste texto os seus comentários. Entretanto, se tiverem medo de mostrarem os rostinhos... Façam como os milhares e milhões de palhaços: maquiem as faces.

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, do Sítio Shangri-La, em Pequiá, divisa do Espírito Santo com Minas Gerais, 4-4-2021

Colunas anteriores:

4 comentários:

  1. Boa noite. difícil viver num país de ninguém. Onde o próprio presidente desautoriza seus ministros, goza das vacinas dizendo que vão todos virar jacaré. faz aglomeração, nao usa máscaras ( NAO USAVA) faz lives gozando da cara do povo brasileiro, ele e seus filhos nojentos, milicianos, racistas etc... só pensa em armar a população. tenho vergonha dos desgovernantes do nosso Brasil

    ResponderExcluir
  2. Entendo que as perguntas formuladas pelo autor do texto acima, relembrando, 'quando acabará a empatia,quando terão fim as UTI's lotadas, as filas para vacinar a população, à espera interminável por leitos, a falta de remédios e aparelhos para as entubações urgentíssimas, as farras do oxigênio? Quando os pilantras e safados que aplicam injeções de vento serão presos, quando os flibusteiros que matam as pessoas para receberem R$ 19 mil reais por pessoas mortas mofarão na cadeia? Entendo, pelo quadro que vejo, que nunca teremos respostas à altura. O Brasil se perdeu numa pandemia paralela, os nossos homens públicos foram contaminados por uma nova Covid-19, ou seja, a Covid-da pouca vergonha, da falta de bom senso, da falta de respeito pelos seres humanos. O Brasil se perdeu nos escombros de sua própria destruição. Virou, nosso país, um enorme saco de lixo,lembrando que a maior parte dos entulhos estão espalhados em Brasília, no Senado, na Câmara, nos Ministérios... O Brasil é terra de ninguém terra de assaltantes e pilantras que servem apenas para roubarem nosso dinheiro suado. Não quero uma arma. Quero uma metralhadora.
    Carina
    Ca
    do Sitio Shangri-La - Divisa do ES/MG.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KARINA, com K é mais "chique" ,suas "inócuas reclamações parecem político à procura de voto". EMPATIA é uma merda que ninguém tem, aliás nem precisa existir como palavra, já que não existe, nunca existiu e nunca existirá. Eu jamais iria querer uma metralhadora, ela sempre atira em inocentes.
      COMO BRASILEIRO É PORCO, ele joga os entulhos em qualquer lugar, quando vota manda para Brasília.
      Como já deve ter lido, eu detesto pessoas que mijam e cagam regras em cima de um muro. Você jamais veria eu falar mal do corrupto mambembe de Garanhuns e depois idolatrá-lo como fez e faz o RUINNALDO AZEDO famoso especialista político ou influenciador como chama agora.
      As UTIs sempre estiveram lotadas, sempre houve espera por leitos e falta de remédios. Meu pai faleceu num campo de concentração do SUS num hospital, que não tinha UTI para ele e a enfermaria marcava para minha irmã o horário das refeições para ela dar para ele, não havia gente suficiente para dar refeições aos pacientes.
      Quando um agente público falha na sua função é PREVARICAÇÃO, crime inocente pela legislação penal brasileira, que pode dar até prisão perpétua nos Estados Unidos.

      O tratamento por oxigenação por membrana extracorpórea (Ecmo), que está sendo feito pelo ator PAULO GUSTAVO para combater complicações da covid-19, custa, em média, R$ 30 mil por dia e foi barrado de ser disponibilizado na rede pública, pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para tratamento de doença respiratória.
      NUNCA TIVEMOS UMA EQUIPE DE MINISTROS TÃO EFICIENTE QUANTO OS DE HOJE.
      NO STF NÃO SÃO MINISTROS, SÃO SEMIDEUSES.
      FUI...

      Excluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-