segunda-feira, 8 de novembro de 2021

[Observatório de Benfica] Estagnação ou Evolução? A escolha para Portugal

Mário Florentino

Com a dissolução do Parlamento, anunciada pelo PR na passada quinta-feira, na sequência do chumbo da proposta de orçamento, inicia-se um novo ciclo político. No maior partido da oposição, estão marcadas eleições diretas que irão escolher o candidato a primeiro-ministro, que enfrentará António Costa nas eleições nacionais marcadas para 30 de janeiro. Paulo Rangel desafiou o atual líder do partido, Rui Rio.

Estas eleições internas são importantes, não apenas para os eleitores do PSD, mas para todos os portugueses. E por quê? Porque nela se confrontam, mais do que noutros casos, duas estratégias e duas visões para o país radicalmente diferentes.

De um lado, temos um candidato que não pretende fazer grandes alterações ao status quo que temos vivido até aqui. O seu grande objetivo parece ser governar ao "centro", em parceria com o PS, numa reedição do famoso "Bloco Central". Rui Rio considera que o país beneficiará de grandes reformas, e que essas reformas se deverão fazer através de acordos com o PS. Essa foi a sua visão, ao longo do seu mandato, e apesar do PS nunca lhe ter feito a vontade, Rio insiste nela. Mas alguém acredita que Costa, que sempre preferiu governar à esquerda, com os seus dois parceiros radicais, vai agora inverter esse posicionamento? E, mesmo que o fizesse, por pura tática política, para manter o poder, alguém acredita que ele fosse um parceiro de confiança? Dificilmente. Aliás, basta perguntar a Catarina Martins ou a Jerónimo de Sousa.

Do outro lado, temos Paulo Rangel, com uma estratégia completamente diferente. Rangel entende que Portugal merece ter um programa político alternativo ao que temos tido nestes últimos vinte anos de estagnação e de divergência com a Europa. E considera, naturalmente, que esse programa deverá ser construído pelo centro-direita, rejeitando qualquer acordo com o PS. Creio que Rangel tem razão nesta estratégia, uma vez que as políticas socialistas já mostraram, até à exaustão, que não servem o país nem os portugueses. A própria crise política, e os resultados das autárquicas, são sinais disso mesmo.

Os militantes do PSD terão assim de escolher entre duas propostas muito diferentes. E, nessa escolha, deverão ter em mente duas questões principais: qual a melhor estratégia para o futuro do país? e qual a que terá maiores probabilidades de sair vencedora nas eleições nacionais. A resposta às duas questões é a mesma: a de Paulo Rangel. O país só se desenvolverá, e sairá da cauda da Europa, com políticas que libertem a sociedade da asfixia estatal e que permitam a mobilidade social. Tal nunca acontecerá com um partido que tem uma visão de que é o Estado que comanda a economia.

E porque é que a estratégia de Rangel é a que tem mais probabilidades de vencer no país? Desde logo, porque ela aparecerá ao eleitorado como uma alternativa. Se os portugueses tiverem de escolher entre duas estratégias semelhantes - a do PS de Costa e a do PSD de Rio - eles não se sentirão sequer mobilizados para ir votar. No caso de confronto entre o PS de Costa e o PSD de Rangel, aí sim, sentirão esse apelo mobilizador.

Os militantes do PSD, no dia 27 de novembro, e os portugueses, dois meses depois, deverão decidir o seu futuro. E a escolha é entre a continuidade do marasmo, da estagnação e do empobrecimento geral em que temos vivido nos últimos vinte anos, sem qualquer perspectiva de futuro, e uma alternativa real de crescimento econômico e de progresso social. Nunca a escolha foi tão simples e clara: entre parar no tempo, ou evoluir.

Fica BEM 👍

O filme "O meu ano com Sallinger". A história de uma jovem poetisa que encontra um emprego numa editora antiquada, onde se usam as velhas máquinas de escrever em vez de computadores, e se recria o ambiente elitista intelectual de outros tempos. Não sendo um filme brilhante, é uma hora bem passada, com excelentes interpretações de Margaret Qualley (a jovem Joanna) e de Sigourney Weaver (a agente literária que lhe oferece o emprego).

Fica MAL 👎

Jorge Costa e Tiago Brandão Rodrigues. Secretário de Estado e Ministro da Educação, vestindo a pele de dois fanáticos radicais, perseguem dois estudantes exemplares. Dizem esses fanáticos da burocracia estatal que os alunos Tiago e Rafael, apesar de excelentes alunos, com nota máxima em aproveitamento e comportamento escolar, devem reprovar o ano. Por quê? Porque não frequentaram a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento, cujos conteúdos ideológicos chocam com a educação e os valores que os pais lhes querem dar. A Constituição e as Cartas internacionais de Direitos Humanos estão do lado da família, a quem cabe, em primeira instância, a educação moral dos filhos. Os meus parabéns ao pai destes alunos, Artur Mesquita Guimarães. Com o seu comportamento, este pai está a dar uma valiosa lição de Cidadania aos filhos.

Título e Texto: Mário Florentino, Benfica, 8 de novembro de 2021 

Anteriores: 
Boa noite, Professor! 
E agora, Professor Marcelo? 
Libertar a sociedade do "Golpe" de 2015 
Qualidade da Democracia 
Ética, Política e Eleições 
A grande vitória de Lisboa 
Apresentação 
Vem aí novo colunista às segundas 

Um comentário:

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-