quarta-feira, 16 de março de 2022

Blasfêmia

Vitor Cunha

É preciso ter uma opinião, afinal está em risco a nossa própria sobrevivência como danos colaterais de uma explosão nuclear. A nova ordem religiosa assim o exige, que toda a “sociedade” – uma construção social – determine e publicite a sua posição acerca do conflito entre dois estranhos. Sendo a forma de publicitar a publicação nos meios de difusão de uma das partes, fica óbvio saber qual a doutrina a apoiar e consequentemente a papaguear. Redes sociais funcionam como a versão rasca da Mocidade Portuguesa.

A haver conflito nuclear, a culpa é da NATO, consequentemente da administração americana e da quantidade de países que agarrados ao hubris de terem o melhor modelo de cleptocracia. A ideia peregrina de criar uma Europa-América excluindo a Rússia, assente na superioridade do modelo de criação de riqueza para as elites e consequente distribuição de migalhas aos parolos vingaria também na Rússia quando “o ocidente” lhes mostrasse que pessoas bem-posicionadas poderiam obter riquezas incríveis. Sim, os EUA criaram os agora chamados oligarcas russos, quando impingiram Yeltsin, o bêbado, de forma a distribuírem as nacionalizadas indústrias da URSS por “bons selvagens” que se renderiam ao modelo democrático ocidental. Leia-se: o modelo em que a ilusão da democracia existe nos eleitores pela escolha entre dois candidatos financiados pelos mesmos grupos de investimento (há gajos que ganham sempre às eleições, seja qual for o resultado; é extraordinário).

Desde Clinton que a Rússia tem servido para bombo da festa. Após a derrota económica, “o ocidente” (leia-se Estados Unidos) não parou de tentar avançar sobre a ferida Rússia, primeiro forçando a cedência de resistência à integridade territorial da união, depois incluindo estas novas repúblicas na sua esfera de influência sem qualquer benefício para estas exceto expô-las à condição de passíveis de invasão. Sim, é suposto a NATO proteger estados membros da Rússia, mas a inclusão de estados indefensáveis – é imaginar por onde entram exércitos em território lituano – tem um único propósito: humilhar o urso ferido.

Não há nenhum ângulo possível para a culpa de um conflito nuclear não ser atribuída à NATO exceto o do delírio ocidental de estes serem os maiores da Cantareira, como qualquer aristocracia falida tende a mostrar. Há condições para uma Ucrânia independente – o que quer que isso seja, pois se Washington mandar até os pobres portugueses vão dar tiros com chumbinhos a zonas onde nem conhecem o inimigo –, mas não há lugar para uma Ucrânia que controle o acesso russo ao mar nem para uma Ucrânia integrante de bloco de ameaça à zona de influência russa. Porque quereriam as populações da Ucrânia tal coisa é algo que não lembraria à horda de idiotas que se limitam a papaguear kumbayas nas televisões embevecidas com o comediante de T-shirt entretido a armar civis para a morte santificada pelos Trudeaus deste planeta. Mas isso não interessa nada para o sentimento de indignação europeu, o território menos relevante do mundo que se sujeita e contenta a ser tratado como o velho duque demente que ainda pensa mandar em alguma coisa. “É a democracia!” Pobres tolos que vivem na sombra dos gigantes do passado, dedicados que estão a destruir a cultura que lhes foi dada como herança e que, como acontece normalmente com os netos do empresário, rebentam com todo o espólio no niilismo azeiteiro de hubris.

Sob qualquer prisma daqueles básicos que as pessoas gostam agora, com opinião de papa regurgitada – digamos antes “pré-mastigada” – a culpa é dos EUA: se a Rússia é a terra dos bárbaros maus e sanguinários, não se provoque os bárbaros; se a Rússia é o paraíso na Terra, não se queime o paraíso.

O que sobra é que, havendo conflito nuclear, só se perde o passado. O presente não vale mesmo nadinha. Se formos poupados ao conflito nuclear, ao menos que tenhamos o neurónio funcional para agradecer a Putin a cortesia, porque aos outros não falta a comichão de dedo para carregar no botão.

Nota: compreendo que esta posição seja demasiado ofensiva para o estado de toxicodependência moderno por esoterismo humanista, pelo que se quiserem não ser mais incomodados com posições blasfemas perante a religião das “democracias liberais” que não são nem uma nem outra, é só dizer.

Título e Texto: Vitor Cunha, Blasfémias, 16-3-2022 

Relacionados: 
‘A diplomacia brasileira está sendo impecável’, afirma cientista político 
Aux larmes, citoyens! 
[L’édito de Valérie Toranian] Ce que Poutine a appris de la dernière guerre arménienne 
[Atualidade em xeque] Ze Lensky 
Ukraine, covid : l’empire du bien – JT du lundi 14 mars 2022 
[Atualidade em xeque] O ocaso dos líderes 
Biden Sets a Trap for Israel 
Michel Onfray : « Poutine est tout sauf fou » 
Francisco e as Anacletas 
Qual é a posição diplomática que o Brasil deve adotar no conflito entre Ucrânia e Rússia? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-