terça-feira, 17 de janeiro de 2023

Qualquer semelhança não é coincidência

Estou na reta final do livro “O crescimento do cristianismo - Um sociólogo reconsidera a história”, de Rodney Stark. E começo a ler o capítulo 8 “Os mártires: o sacrifício como escolha racional”. Transcrevo:

“No capítulo 1 de The Martyrs of Palestine [Os mártires da Palestina], Eusébio identifica Procópio como o ‘primeiro dos mártires’. Chamado à presença do governador, foi-lhe ordenado que fizesse libações a quatro imperadores. Procópio negou-se a tanto e foi ‘imediatamente decapitado’. Logo depois, outros bispos da Igreja na Palestina foram presos. Não se limitaram a enfrentar a ameaça de decapitação, pois o governador estava determinado a dissolver o movimento cristão lançando mão da tortura para forçar seus líderes à abjuração. Eis o relato de Eusébio:

Alguns foram açoitados com inúmeros golpes de chicote, outros supliciados em seus membros, fustigados nos costados com instrumentos de tortura, alguns com insuportáveis grilhões, pelos quais as juntas de suas mãos eram deslocadas. Apesar disso, suportaram todo esse transe.

No capítulo 2, Eusébio relata-nos a história de Romanus que foi preso em Antioquia:

Quando o juiz o informou de que iria morrer consumidos pelas chamas, com semblante a legre e ânimo ardoroso Romanus recebeu a sentença e foi levado embora. Amarram-no então à estaca, e quando a lenha foi empilhada em torno dele e estavam ateando fogo à pilha, aguardando apenas a palavra do esperado imperador, ele exclamou: ‘Cadê o fogo?’. Dizendo isso, foi intimado novamente à presença do imperador, para ser submetido a novas torturas, e por esse motivo teve a língua cortada, o que suportou com suprema firmeza, como demonstrou em todas as suas ações, revelando também que o poder de Deus está sempre presente para auxílio daqueles que são obrigados a suportar qualquer privação a bem da religião, para mitigar seus afazeres e para fortalecer seu ânimo.

No capítulo 8, tomamos conhecimento da brava Valentina, que foi presa com outros devotos em Gaza e levada à presença de Maximino. Como os interlocutores torturaram brutalmente outra mulher cristã,

incapaz de suportar a visão de uma cena tão cruel, desumana e desapiedada, e com uma coragem que excedia a de todos [os heróis gregos], interpelou o juiz em meio à multidão: ‘Por quanto tempo irá o senhor torturar cruelmente minha irmã?’. Ele [Maximino, o mais profundamente encolerizado com isso, ordenou que a mulher fosse imediatamente presa. Foi então arrastada para o centro […], havendo-se feito tentativas de convencê-la ao sacrifício por persuasão […]. Tendo-se recusado a tanto, foi arrastada à força ao altar […]. Andando a passos intrépidos, chutou o altar e tombou-o, junto com o fogo. Diante disso, o juiz, exasperado, qual animal selvagem, aplicou torturas ainda mais severas que as anteriores.

Relacionados: 
Sem manifestações: o novo regime do Brasil não tolera divergência política 
Glenn Greenwald percebeu o que acontece no Brasil e está mostrando para o mundo 
[Aparecido rasga o verbo – Extra] O país bombril 
O Terror do Totalitarismo 
Vandalismo é tão condenável quanto autoritarismo e campo de concentração 
Glenn Greenwald aceita debate sobre atos de Moraes 
Glenn Greenwald desperta a ira da esquerda 
Depois de denunciar censura no Brasil, Glenn Greenwald é alvo de homofobia 
Paulo Pimenta e o ‘Ministério da Verdade’ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-