segunda-feira, 16 de janeiro de 2023

Vandalismo é tão condenável quanto autoritarismo e campo de concentração

As cenas de depredação em Brasília não justificam o que o estamento quer justificar: o maior autoritarismo da história brasileira em nome da ‘democracia’

Flavio Morgenstern

O que aconteceu em Brasília no dia 8 de janeiro tem todos os ingredientes de uma “revolta de massa”: um coletivo confuso e revoltado, sem pautas claras. Sempre causam destruição. O Nobel de Literatura Elias Canetti já explicara, em Massa e Poder, que tais massas marcham para prédios públicos que sejam símbolos do poder. Já Ortega y Gasset, em A Rebelião das Massas, explica que “as massas populares costumam procurar pão, e o meio que empregam costuma ser o de destruir as padarias”.

Isto posto, nada pode ser pior para explicar a balbúrdia e para supostamente “evitá-la” do que a narrativa reducionista do estamento (poder público, mídia e classe falante): a de que é preciso aumentar o já indesculpável autoritarismo brasileiro para combater supostos “golpistas”, “terroristas” e os chamados atos “antidemocráticos”. Tal verborreia paranoica e totalitária só causou mal ao país — porque ela é mentirosa e ditatorial.

Com a repetição goebbelsiana de termos sem passá-los pela reflexão, tem-se a impressão de que o Brasil está à beira do Quarto Reich. Enquanto a mídia descreve o cenário de “terrorismo”, mostra imagens em sua quase totalidade de gente simples, com rostos pobres e cansados — ao invés de vídeos de causar pesadelos por semanas como os do Estado Islâmico.

Enquanto a mídia só repete as mesmas imagens de depredações, esconde os muitos vídeos mostrando que a maioria estava pedindo para ninguém quebrar nada a uma minoria que, desesperada como sói, partiu para a depredação momentânea. Curiosamente, em junho de 2013, black blocs eram apenas “uma minoria de vândalos”, em expressão que ficou marcada pela repetição automática. Por que agora termos como terroristas e golpistas são usados em idêntica repetição?

A minoria de 2023, tratada com termos reservados apenas a facínoras, cometeu o crime óbvio de depredação. O que não justifica os crimes igualmente elencados na legislação que o outro lado comete reiteradamente — e não apenas num domingo de fuzarca.

Aliás, sejamos francos. O que você mais teme: um conjunto momentâneo de pessoas, em sua maioria simples, que resolve imitar a esquerda e arrebentar um prédio público uma vez na vida por desespero, ou burocratas com cargo vitalício, aboletados na máquina pública e agindo acima da Constituição, eliminando todas as liberdades do povo em ritmo acelerado todo santo dia?

De um lado, temos uma espécie de ala radical da torcida da Portuguesa — ou do Aparecidense, incapaz de lotar um terço de um estádio pequeno. De outro, numa lista não exaustiva, censura, quebras de sigilo em massa, buscas e apreensões, prisões arbitrárias, inquéritos ilegais e antidemocráticos sem fim, mais censura — inclusive prévia —, bloqueio de bens, concentração de poder, proibição de questionamento, leis criadas ignorando legisladores eleitos, proibição de críticas, dúvidas e questionamentos, demonização oficial de discordantes, culminando com campos de concentração — enfim, a ditadura. Qual dos dois lados é mais perigoso?

É difícil para alguém com um pingo de senso do ridículo acreditar que o maior perigo para o Brasil foi uma turma desesperada querendo auditoria eleitoral? Nenhum grito por uma ditadura, nenhum desejo de sangue, nenhum incêndio — como percebido por Alex Baur, da revista suíça Die Weltwoche —, nenhum perigo para a vida normal do país, nada de ganas por destruir um dos Poderes da República e concentrá-lo entre os seus cupinchas. Aliás, estes dois últimos elementos são cirurgicamente identificados no outro lado. E não em um domingo, mas em todas as horas de todos os dias, feriados inclusos.

A diferença de meios é patente: um lado tinha acampamentos que viraram uma invasão desesperada depois da eferverscência. A ação dura poucas horas. De outro, burocratas com todo o sistema a seu favor: polícia, Ministério Público, políticos, mídia e — oh, ironia — Forças Armadas. Fora o apoio internacional. Do lado dos “vândalos”, raros com alguma passagem pela polícia, ou que assuste quem cruze com eles na rua. Do lado dos engalanados burocratas de terno, o fim da liberdade.

Os perigosos “terroristas bolsonaristas”

O componente sádico é forçar a pecha de “bolsonarista” indiscriminadamente — o mesmo termo é utilizado para uma massa com vândalos no meio, e para qualquer um que não tenha passado os últimos anos inventando desculpas para os descalabros do PT e do estamento. Assim, “bolsonarista” é quem invade prédios e destrói pinturas e quebra gabinetes, e “bolsonarista” é quem não vota em corrupto. É com estas categorias que se “pensa” hoje.

Nunca que a mídia ou os operadores do Direito utilizariam um termo de maneira tão elástica se afetasse alguém de esquerda — como citar traficantes sempre marcando que são “lulistas” roxos já nas manchetes.

Pelo contrário: o candidato que sobe no Complexo do Alemão com boné “CPX” sem segurança ainda tem apoio da mídia, que alega ser “fake news” que a sigla seja a de uma facção criminosa. Mas a mesma mídia noticia fingindo terror que Lula teme por sua segurança — como se cada tiozinho corado de sol fosse um general ariano operador de uma câmara de gás. Já quando se sabe que a segurança da Praça dos Três Poderes foi misteriosamente relaxada pouco antes do fatídico 8 de janeiro, a notícia merece no máximo um pé de página.

É muito fácil culpar caminhoneiros com quarta série completa, que passaram meses comendo arroz com ovo na porta de quartéis por desespero e como única esperança de se sentirem ouvidos e representados. E na inculpação coletiva — laboração geneticamente totalitária — vão se criminalizando idosos e crianças, filhos de gente pobre e aposentados que usaram seu tempo livre para algum ato de patriotismo — ainda que sem entender os próprios meios disponíveis —, enfim, famílias inteiras desesperançadas com sua própria situação.

O menoscabo elitista de um certo senhor que debochou de picharem “Perdeu, mané” nas dependências do STF (por terem escrito “perdeu” com um L), não tem nada de elevado: é apenas nojo pelo povo simples — isto logo após esta terrível chacota com os anseios de pessoas comuns que, expressando-se bem ou não, gostariam de uma mínima participação no processo de auditoria democrática.

Ora, quem tem obrigação de ter uma linguagem que não seja de “mané” são as altas autoridades. Estas também têm obrigação de seguir a lei, e não inventar “políticas”, conversar com imitadores de foca que fazem propaganda partidária aberta e postar músicas como “Já vai tarde” na semana eleitoral. É difícil crer que um juiz norte-americano, europeu ou de qualquer país com instituições sérias não enfrentaria a própria lei — e as grades — por partidarismo.

Na verdade, todos sabem do óbvio: a esquerda e o estamento passaram o domingo soltando fogos, por finalmente terem uma narrativa modelo “Capitólio brasileiro” para vender. Devem ter brindado com champanhe de R$ 50 mil a garrafa e lagosta. Agora, têm a desculpa perfeita, pela qual tanto ansiavam, para ser os ditadores que sempre foram — com beneplácito da mídia, que deveria vigiá-los.

Tratar aquela gente simples, incluindo idosos, como “terroristas, antidemocráticos golpistas e bolsonaristas fascistas”, e depois chamar 49,1% do país pelo mesmo termo, não é apenas um erro: é uma senha nada disfarçada para o totalitarismo.

Título e Texto: Flavio Morgenstern, Revista Oeste,  16-1-2023, 19h11  

Relacionados: 
Glenn Greenwald aceita debate sobre atos de Moraes 
Glenn Greenwald desperta a ira da esquerda 
Depois de denunciar censura no Brasil, Glenn Greenwald é alvo de homofobia 
Paulo Pimenta e o ‘Ministério da Verdade’ 
Politicians and commentators are blocked online in Brazil after censorship order targets Bolsonaro support 
Quem é o maior jornalista brasileiro hoje? 
O Brasil da obediência 
O tweet mais ridículo da semana (5) 

2 comentários:

  1. Meu Deus, destruíram brazzzzzzilia? Coitada!!! Ela está bem? Foi socorrida? Está em algum hospital do SUS? Está sendo bem ratada, digo tratada? Quando posso ir fazer uma visita?
    Aparecido Raimundo de Souza
    de Santo André São Paulo

    ResponderExcluir
  2. FOTO LEGENDADA ACIMA.
    POLICIAL À ESQUERDA, COM O CACETETE PRONTO PARA ENFIAR NO RABO:
    - Pessoal, vamos partir pra cima e dar uma surra no ônibus. Já viram um buzu apanhando?
    POLICIAL AO LADO DO PRIMEIRO SOLDADO À ESQUERDA:
    - Eu, pelo menos, até hoje, não... mas e os passageiros?
    - Que se fodam...
    Aparecido Raimundo de Souza
    de Santo André, São Paulo

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-