quinta-feira, 8 de abril de 2021

O STF se prepara para executar o pior ataque contra a religião

O alvo são os templos evangélicos, um dos piores pesadelos da esquerda, do 'centro liberal' e das classes pensantes deste país

J. R. Guzzo

O Supremo Tribunal Federal (STF), com a cumplicidade ativa de governadores, prefeitos e a militância em favor do “fecha tudo” geral, e com o amplo apoio da mídia e do restante da elite nacional, se prepara para executar o pior ataque contra a liberdade de religião que o Brasil já sofreu — pelo menos desde que foi estabelecido por lei que Estado e Igreja são separados, não podem interferir um no outro e cada cidadão é livre para praticar as suas crenças religiosas e frequentar os cultos que bem entender.

A desculpa deste último ataque aos direitos do cidadão é, mais uma vez, a covid — para “evitar aglomerações”, o STF pode proibir que o público frequente missas, orações e cerimônias espirituais de qualquer natureza.

O ministro Gilmar Mendes abriu o tiroteio, votando pelo fechamento das igrejas na sessão plenária que vai decidir sobre a questão. Alegou que o Brasil se tornou um “pária” mundial no tratamento da covid e, por isso, as pessoas não podem mais fazer suas devoções em público. Não explicou por que, objetivamente, o Brasil é um “pária” comparado a outros países de primeira linha — mas desde quando um ministro do STF precisa apresentar algum motivo decente para baixar os seus decretos? O Supremo só decide; todos os demais só obedecem. A votação começou, foi suspensa e recomeça nesta quinta-feira.

A parceria da alta hierarquia da Igreja Católica no voto de Gilmar, as profissões de fé dos comissários do coronavírus e as piedosas garantias dos políticos de que a liberdade religiosa está “garantida” só mostram o quanto é hipócrita a ofensiva contra o culto — o alvo real, de novo, são os templos evangélicos, um dos piores pesadelos atuais da esquerda, do “centro liberal” e das classes bem pensantes deste país.

As entidades religiosas “chapa branca” podem divulgar notas de apoio à proibição, mas nada disso muda a natureza do que está sendo feito: uma agressão direta e aberta às igrejas mais frequentadas hoje pela maioria da população brasileira. Serão os seus fiéis — e não os católicos, budistas ou muçulmanos, que formam a minoria do universo religioso do Brasil — os mais atingidos pela proibição.

Se ir ao templo é “aglomeração” e provoca contágio, porque viajar todos os dias de metrô, ônibus e trens urbanos continua sendo permitido? O vírus, por acaso, não frequenta o transporte coletivo? Só em São Paulo, cerca de 8 milhões de pessoas viajam diariamente no sistema ferroviário metropolitano. Tudo bem, aí? O fato é que os mandarins do “distanciamento social” precisam que o metrô funcione para garantir o seu bem-estar pessoal — afinal das contas, os trabalhadores do supermercado, da farmácia, dos serviços públicos e milhões de outros têm de suprir as necessidades de quem manda. Isso exige que eles continuem comparecendo diariamente ao local de trabalho; para tanto, são obrigados a se amontoar no transporte coletivo. Mas nesse caso não é “aglomeração”.

Já estão sendo agredidas, há mais de um ano, as liberdades de ir e vir, de reunião, de exercício legal da atividade econômica e tantas outras, sempre em nome da “segurança sanitária”, e com o alto propósito de “salvar vidas”. A cada dia vai ficando mais difícil recuperar cada uma delas: muitos dos que são responsáveis pela atual supressão de direitos estão bem pouco interessados em sua volta.

Título e Texto: J. R. Guzzo, Estado de S. Paulo, via revista Oeste, 8-4-2021, 7h20

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-