segunda-feira, 21 de março de 2022

[Atualidade em xeque] Entendi!

José Manuel

Quer dizer que o nosso líder  espiritual, aquele que para se eleger apontava para o céu para nos mostrar Deus, tirou o Presidente da Itaipu Binacional, um militar de carreira em que confiava, e o colocou na presidência da Petrobras para sanear o que o seu antecessor fez, quando queria transformar as refinarias em alambiques e mandar  o dinheiro da Petrobrás  (povo), para países comunistas, agora não mais aponta para o céu, após  quase quatro anos, mas diz que  a Petrobras  que está saneada e quase pagando todos os débitos aos americanos,  cometeu um crime ao fazer o último aumento dos combustíveis?

Bom, se a Petrobras cometeu crime, pelo que se entende é que o presidente da estatal é criminoso?

E aí, seguindo esse raciocínio do Líder espiritual, a Petrobras tem que ser privatizada?

Ao que parece, ficou muito claro nesse imbróglio que a sorte da estatal petrolífera já estaria definida desde que o militar da Itaipu Binacional foi transferido, faltando apenas uma crise mundial para bater o Martelo?

#### A gestão pública da Petrobras é imprescindível para que o anseio de obtenção de lucros não esteja acima dos interesses nacionais. A privatização da maior empresa do Brasil interessa somente aos grandes grupos internacionais que não têm nenhuma responsabilidade com o país. (Universidade de Alfenas)

#### Em entrevista à CNN, a pesquisadora do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) Carla Ferreira afirmou que privatizar a Petrobras poderia piorar o preço dos combustíveis. O assunto já é discutido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com a cúpula do Congresso.

#### Nesse tipo de processo, algumas pessoas envolvidas ganham muito dinheiro, na casa dos milhões. Não são só os que compram a empresa, pois esse retorno vem a longo prazo. Estamos falando de quem participa da venda (políticos, governantes, ministros etc.).

Estamos tomando conhecimento através de uma guerra estúpida com a invasão de uma potência nuclear, a um país infinitamente pequeno em relação  ao invasor e, que pode vir a escalar para um grande conflito mundial, o que nos levará ao tempo das trevas, que a dependência de energia, do tipo fóssil como petróleo  e gás,  não  foi uma boa opção  para a Europa, que hoje está  sem saber o que fazer,  perante esse conflito e a ponto de ter paralisadas as suas industrias pelo corte desses combustíveis por parte daquele que detém a posse desses produtos.

E então? É isso que queremos ao entregar uma empresa estratégica como a Petrobrás a terceiros que certamente não terão nada a ver com a nossa pátria.

Devemos nos lembrar que essas ideias estão sendo disseminadas por um ministro banqueiro.

E não esquecer o que sucedeu com a vergonhosa e escandalosa privatização da Vale do Rio Doce pelo governo FHC, quando entregou “de graça" à Austrália e ao Reino Unido uma das joias da coroa brasileira.

Com a palavra, o povo brasileiro!

Será que o exemplo atual da Europa, não é suficiente para que o povo entenda o buraco negro em que o país irá entrar com esse tipo de privatização?

#### Quando os bolivianos fecharem a válvula do gasoduto, o que eu faço? Mando o Exército abrir?" Com perguntas como essa, o ex-presidente Ernesto Geisel lutou de 1957, quando integrou o Conselho Nacional do Petróleo, até 1979, quando deixou a Presidência da República, contra a ideia do gasoduto Bolívia-Brasil ####

Título e Texto: José Manuel – o último parágrafo é só para refletir. 

Anteriores: 
Chamem o Raul Solnado 
Ze Lensky 
O ocaso dos líderes 
Números da tragédia russa na Ucrânia 
Analfabeto funcional 
Chaplin e Zelenski, dois fantásticos discursos contra a psicopatia mundial que ronda a humanidade 
O boquirroto atômico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-