domingo, 14 de novembro de 2021

[As danações de Carina] A lucidez perigosa

Carina Bratt

EU TIVE UMA longa e franca conversa com ‘A Entidade’ de Frank De Felitta. Adolpho Caminha, tão logo soube desse encontro, não pensou duas vezes e correu para bater um papo sério comigo. Veio aqui em casa, desesperado. Como não lhe dei muita atenção, fez questão de me apresentar ao seu ‘Bom-Crioulo’. Este rapaz, assim que colocou os olhos nos meus, resolveu me alertar, como sua mais nova amiga, que eu parasse imediatamente de ter contato com Robin Cook, me alertando para que, se eu não seguisse por aquele caminho, ou ficaria cativa, à mercê de um ‘Risco Calculado’.

Em vista disto, fiquei indecisa. E o por que da indecisão? Porque descobri quem era o ser diabólico que violentava Carlotta Moran, uma inocente e pobre mulher fragilizada que vivia subjugada às sanhas de um ser horrendo que não tinha outra finalidade senão a de levá-la às raias comum do desespero e da desgraça. O Bom-Crioulo me pediu encarecidamente que eu tomasse o máximo de cuidado e ficasse o mais longe possível da visão diabólica deste espírito maligno que só servia para propagar o mal e levar as pessoas aos obscuros caminhos dos desatinos mais desvairados e insanos existentes na face da terra.

Para ter certeza de que eu não voltaria a me avistar com ‘A Entidade’, fui apresentada a Janet Dailey, que me convenceu a voltar nos próprios passos, retroceder, dar uma segunda chance a um antigo ‘Amor indeciso’ que deixei ficar quieto no passado. Raymond Chandler, meu amigo de longos janeiros, me segredou que continua firme e forte nos calcanhares da sua ‘Dama do Lago’, apesar do detetive que contratou, um tal de Philip Marlowe, não estar muito empenhado em chegar a descobrir o ‘xis’ da questão, e, consequentemente trazer à baila o enigmático e incompreensível mistério que envolve a respeitável senhora.

Neste interregno de tempo, peço, de joelhos no chão, as mãos em prece, à Nossa Senhora Aparecida, que interceda, junto aos meus medos e receios e afaste os meus terrores prementes e escreva um novo ‘Auto da Compadecida’ para me restituir a paz perdida. Ariano Suassuna, contudo, bate o pé e diz que discorda veementemente da Santa no tocante a ela dar continuidade aos meus apelos e ansiedades. Segundo ele, Chicó ficaria ao deus dará e pior, desprotegido. Mudo o foco dos meus pensamentos e me surpreendo de cara com ‘As Mulheres de Meu Pai’.

Não culpa do meu consanguíneo, a quem devo a vida, todavia, de José Eduardo Agualusa. Tento fazer a cabeça e convencer o José, e ele, chato pra cachorro, me disse que eu deveria fazer uma ‘Pausa’, nos mesmos moldes de Colleen Hoover. Enquanto as horas correm ligeiras no meu relógio de pulso, me questiono se ‘A Dor’ ou as tristezas de Marguerite Duras são mais profundas que as minhas. Não obtenho respostas, embora tente, em vão, chegar a um raciocínio lógico, igual ao de David Niven, que sabe, de cor e salteado (será que sabe mesmo?!) os possíveis ‘100 Segredos das Pessoas Felizes’.

E por que ele chegou a este somatório de serem somente 100 os tais segredos? Aqui no fundo da minha alma, acho que nem ele tem a resposta esclarecedora. Possivelmente está blefando. ‘Por que os Homens Mentem?’ Para se garantirem, para provarem que são machões e superiores a nós, mulheres? Allan e Barbara Pease não me retornaram as ligações. Ah, se eu encontrasse o meu ‘Petit Prince...!’ talvez me sentisse feliz e realizada, como Antoine de Saint-Exupéry. Às vezes eu gostaria de ir dormir e acordar ‘Alice’ vivendo no país das maravilhas, como Lewis Garroll. 

Se eu pudesse me transformar numa égua, não, égua não, pelo amor de Deus, em um cão, como o ‘Dos Baskervilles’, ajudaria Sherlock Holmes a puxar as orelhas de Arthur Conan Doyle. Se eu conseguisse retrogradar no tempo, me atiraria nos braços do Conde de Monte Cristo e apagaria, de vez, da cabeça dele, a figura enigmática de Alexandre Dumas. Bem sei, sonhos, sonhos, sonhos. Mudo o foco dos meus pensamentos tresloucados e dou com André Gide. Fujo dele, às carreiras. Uma vez quase fui presa na Cinelândia em face de estar de conversa com ‘Os moedeiros falsos’.

Melhor seguir o Aparecido Raimundo de Souza e o seu ‘Cristo recrucificado’. Um dia serei a única ‘Herdeira’ de Henry James e mandarei ‘O Senhor da Moscas’ junto com William Golding para a casa do ca... do chapéu. O dia que me encontrar com o velho Chico Buarque, perguntarei a ele onde se meteu o meu ‘Irmão alemão’. Alguém me disse que ele se enrabichou com ‘A garota no trem’, uma sirigaita desbundada de nome Paula Hawkins. Verdade, ou não, darei um colorido especial aos meus dias, pintando ‘Cinquenta tons de cinza’ no meu rosto esmaecido e E L James que vá plantar batatas.

Max Lucado sinaliza que precisamos seguir em frente ‘Sem medo de viver’. Concordo com ele. As incertezas de estar ‘Na Corda Bamba’, valem para cidadãos persistentes, de sangue nas ventas, como Desmond Bagley. Se Clarice Lispector estivesse viva, pediria a ela que desvendasse, para meus encantos, ‘O mistério do coelho pensante’ e depois fosse comigo conhecer, de perto, o Rio de Janeiro. A cidade maravilhosa, que Jorge Amado imortalizou como ‘O País do Carnaval. O Rio continua lindo é bem verdade, mas segue matando mais pessoas que a Covid-19.

Não há Reganhan Cachaceiros que dê jeito. Tudo o que eu disse aqui neste texto, são ‘Verdades secretas’ picuinhas e problemas os mais diversificados, não os meus, igualmente as outras e outras e outras merdas somadas às de Walcyr Carrasco que fez a gentileza de colocar, em nossas telinhas, um folhetim pecaminoso para o regozijo do entretenimento de nossa alma. Entre tapas e beijos, não importa o que me espera ou o que eu espero do dia de amanhã. O que conta, neste momento, e o que eu almejo, é como disse a minha amiga Lícia Manzo: ‘UM LUGAR AO SOL’.

Título e Texto: Carina Bratt. De São Paulo, capital. 14-11-2021

Anteriores: 
Roteirinho básico para uma crônica sem sentido 
NADA menos que TUDO 
Simplesmente ‘Lo Schiavo’ 
As flores nossas de cada dia 
Minha homenagem a Nossa Senhora 
Diferença entre escrever e orar 
Pequenas dicas para sermos felizes 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-